A seleção de Portugal de sub-20 foi, na madrugada de domingo, eliminada do Mundial da categoria que está a ser disputado na Nova Zelândia, caindo aos pés do Brasil. A equipa das Quinas dispôs das melhores oportunidades mas não conseguiu materializar essa superioridade em golos, acabando por ser eliminada no desempate por grandes penalidades. Ainda assim, a eliminação não apaga o percurso de alta qualidade que a #Selecção jovem demonstrou nos jogos realizados. 4 vitórias, 1 empate, 12 golos marcados e 2 sofridos é o cômputo final.

Depois de quatro vitórias em quatro jogos, Portugal encontrava um dos adversários mais temíveis, rumo a um título que foge à nossa seleção desde 1991, altura em que, sob o comando de Carlos Queiroz, a selecção de "esperanças" conseguia alcançar o bi-campeonato. E este Mundial parecia ser a ocasião perfeita para que as nossas cores voltassem a festejar, tamanha a qualidade dos jogadores lusitanos que viajaram até à Nova Zelândia e, atendendo às equipas que agora estão nas meias-finais (Senegal, Mali e Sérvia, para além, claro, do Brasil), Portugal passaria a ser o principal candidato à conquista do título.

A fase de Grupos 

Portugal "encantou" na primeira fase da competição, somando por vitórias as três partidas disputadas (igualando Alemanha e Brasil), chegando aos dois dígitos de golos marcados (10 - melhor só a Alemanha com 16) e sofrendo apenas 1 golo (segunda melhor defesa da fase de grupos - a Ucrânia não sofreu golos nesta fase). A nossa participação começou a 31 de maio com um triunfo, por 3-0, frente ao Senegal, prosseguindo, a 3 de junho, com uma goleada por 4-0 frente ao Catar e terminando, no que à primeira fase diz respeito, a 6 de junho, com triunfo por 3-1 frente à Colômbia. 

Portugal somava, assim, 9 pontos com saldo de 9 golos positivos entre os marcados (10) e os sofridos (1) e marcava presença nos oitavos-de-final, onde iria defrontar a anfitriã Nova Zelândia.

Oitavos-de-final

No primeiro jogo a eliminar, Portugal sentiu dificuldades inesperadas perante a seleção da casa (a Nova Zelândia), vencendo por 1-2 com o golo do triunfo a surgir apenas aos 87' num belo golo de Gelson Martins. No outro jogo dos oitavos-de-final, o Brasil precisaria de desempatar através de penaltis com o Uruguai depois de uma igualdade a zero, marcando encontro com a nossa seleção. 

O fim do sonho 

O percurso da nossa seleção terminava na madrugada deste domingo, após o Brasil ter conseguido, mais uma vez, levar o jogo para grandes penalidades após nova igualdade a zero, tornando-se a primeira seleção de sempre a conseguir chegar às meias-finais de um Mundial sem ter marcado qualquer golo nos jogos a eliminar.

Portugal foi mais forte, dominou, criou inúmeras oportunidades de golo mas não conseguiu marcar, levando o jogo para o prolongamento (onde voltou a desperdiçar) e, por fim, para as grandes penalidades. Aí, apenas Rony Lopes converteu com Raphael Guzzo, André Silva e Nuno Santos a não conseguirem concretizar. Resultado: Portugal cai, outra vez, aos pés do Brasil, numa partida em que os jogadores lusos enfrentaram dois dos seus piores históricos adversários: a falta de eficácia e a seleção do Brasil.

Portugal diz, assim, adeus a uma competição que chegou a dar mostras de que poderia vencer (ou, pelo menos, chegar mais longe), adiando, mais uma vez, a reconquista de um troféu que lhe foge há mais de duas décadas.