Na noite desta terça-feira, 11 de agosto, na Geórgia jogou-se a final da Supertaça Europeia entre Barcelona e Sevilha. O grande ausente do lado do Barcelona foi Neymar, devido a papeira, e Messi voltou a ser o maestro da companhia. Resultado em aberto até aos últimos minutos de um jogo frenético, com direito a prolongamento. No final, a vitória ficou entregue aos pupilos de Luís Henrique, que fecharam o resultado por 5 - 4.

A grande dúvida no onze do Barcelona prendia-se com quem seria o substituto de Neymar. As hipóteses recaiam em Pedro, que tem sido nas últimas semanas constantemente associado ao Manchester United, como favorito para suplantar a vaga deixada por Di Maria, transferido para o PSG. Mas antes do jogo, o secretário técnico do Barcelona Robert Fernandéz assumiu que Pedro já tinha comunicado a sua vontade de sair do clube blaugrana, dando como provável a despedida do internacional espanhol esta noite na supertaça. Assim, foi Rafinha a substituir o astro Neymar no onze catalão.

O Barcelona alinhou com Ter Stegen, Piqué, Rakitic, Sergio Busquet, Dani Alves, Iniesta, Suárez, Messi, Rafinha, Mascherano e Mathieu (a substituir Alba na lateral esquerda). O Sevilha, por sua vez, alinhou com Beto, Coke, Rami, Krychowiak, Tremoulinas, Banega, Krohn-Dehli, Iborra, Reyes, Vitolo e Gameiro.

O início do jogo foi frenético, com os primeiros dois golos da partida a surgirem de rajada de parte a parte, falta de Mascherano sobre Reyes aos 2’, livre descaído para a esquerda à entrada da grande área a favorecer o Sevilha. Banega, irrepreensível na cobrança, faz o primeiro para o Sevilha. O Barcelona, num lance semelhante, chega à igualdade aos 6', com Messi a copiar na perfeição o seu companheiro de seleção Banega. O Barcelona seguiu tricotando o seu habitual estilo de jogo, conseguindo aos 16’ dar a remontada no encontro. O astro argentino #Lionel Messi, novamente de livre, com uma precisão impecável faz o segundo golo para o Barcelona. O Sevilha acusou muito os dois golos sofridos e o Barcelona foi tomando conta por completo da equipa, privilegiando, como é habitual, a troca de bola entre os seus jogadores.

Aos 28’ lance polémico na grande área do Sevilha com Suárez a marcar, mas com o golo a ser anulado por suposto fora-de-jogo que não parece existir. Mas ao minuto 44’ o Barcelona alcança o 3.º golo através de Rafinha, após fantástica assistência de Suárez. Na segunda parte, o Barcelona manteve a mesma toada, chegando ao quarto golo por Suárez aos 52’.

O resultado parecia estar feito, mas o Sevilha deu uma ótima resposta conseguindo chegar a uma surpreendente igualdade na partida. Reyes aos 55’, Gameiro através de penalty aos 72’ e Konoplyanka aos 81’ (contratação sonante do Sevilha neste mercado de transferências que acabou contrato com o Dnipro, clube ao qual os andaluzes conquistaram a Liga Europa na época transata) restabeleceram a igualdade para o Sevilha. O jogo foi assim para prolongamento, perante um Barcelona que quebrou fisicamente (resultado de uma digressão cansativa de pré-temporada) e algo displicente perante a confiança que tinha na vantagem alcançada durante a primeira parte do encontro.

No prolongamento, Pedro foi a última arma a ser lançada por Luís Henrique. Aos 115’, o provável reforço do Manchester United deu a vitória aos catalães, fazendo a recarga após livre de Messi. O Barcelona conquista assim o seu primeiro troféu da época 2015-2016, estando na luta pela conquista do "sextete". Segue-se o Atlético de Bilbao para a Supertaça Espanhola. Lionel Messi foi considerado o Homem do Jogo. #Futebol #F.C. Barcelona