O FC Porto na Terça-feira tinha conseguido ganhar ao Chelsea de Mourinho. O #Benfica foi a segunda equipa portuguesa a entrar em competição nesta #Liga dos Campeões. Rui Vitória manteve o esquema habitual com dois avançados. Gaitán e Guedes foram os autores dos golos encarnados. Exibição personalizada e coesa de toda a equipa encarnada. Segue na liderança isolada da prova no grupo C.

Na quarta-feira, dia 30 de Setembro, o Benfica deslocou-se ao Vicente Calderón, tentando aproveitar o mau momento por parte do Atlético, após derrota para o campeonato diante do Villarreal. Rui Vitória apostou na mesma equipa que defrontou o Paços de Ferreira para a Liga na última jornada, apenas trocando Mitroglou por Raul. Do lado do Atlético, Simeone apostou no seu melhor onze, apenas trocando o lesionado Koke por Correa.

O Atlético entrou de forma agressiva e intensa, como já era expetável por parte de Rui Vitória na antevisão da partida. Mas foi do Benfica o primeiro aviso de perigo, aos 6' por parte de Jonas num lance individual, mas o remate saiu ao lado. Guedes aos 15' tentou aproveitar uma saída da baliza de Oblak, mas o remate foi intercetado por Filipe Luís perto da linha de golo.

Aos 23' depois de alguns cantos perigosos, o Atlético conseguiu chegar ao primeiro golo da partida, numa boa combinação entre Juanfran e Griezmann, com este último a picar de primeira para Correa que, isolado, marcou para os colchoneros.

O Benfica sentiu um pouco o golo e teve dificuldades em travar os diversos ataques do Atlético, com a melhor oportunidade a pertencer a Jackson, ao cabecear ao poste aos 25'. Mas o Benfica foi crescendo ao longo da partida, tentando ao máximo assentar o seu jogo e controlar a posse de bola. Aos 36' surge o golo do empate: cruzamento de Semedo, Godín interceta, mas a bola sobra para Gaitán, que de primeira fuzila a baliza de Oblak.

O Atlético acusou muito o golo sofrido e o Benfica aproveitou para serenar o seu jogo, não se alterando o resultado até ao intervalo. Na segunda parte, o Benfica entrou praticamente a ganhar: aos 51' grande iniciativa de Gaitán numa saída rápida do lado esquerdo, assistindo Guedes ao segundo poste, que finaliza para o segundo golo encarnado.

Aos 58' grande momento de Júlio César, com uma defesa dupla a evitar o empate para os colchoneros, após cabeceamento de Jackson e recarga de Correa. Simeone tentou, com a entrada de Torres e Vietto, dar mais frescura ao ataque. Mas o Benfica esteve sempre muito organizado e coeso, soube sofrer quando foi necessário no campo adversário, conseguindo estender o seu jogo ao máximo quando recuperava a posse de bola, conseguindo segurar a vantagem alcançada na partida. Enorme segunda parte encarnada, realizando o seu melhor jogo fora de portas. Rui Vitória tentou ao máximo não recuar demasiado a equipa, fazendo trocas diretas (Samaris por Fesja e Raul por Mitroglou) apenas para refrescar a equipa. A última alteração ocorreu para dar mais consistência ao miolo encarnado, com a saída do fatigado Jonas por Pizzi.

O Benfica de Rui Vitória entra para a história ao conseguir nova vitória sobre uma equipa espanhola ao fim de 33 anos sem conquistas; a última ocorreu sobre o Bétis em 1982 em Sevilha. Ao fim da segunda jornada para a Liga dos Campeões, o Benfica soma a segunda vitória consecutiva e lidera isolado o grupo C, com seis pontos. Na próxima jornada desloca-se ao terreno do Galatasaray, a 21 de Outubro. Os turcos no outro jogo do grupo, empataram no terreno do Astana a duas bolas.