Esperava-se, logo à partida, um grande jogo entre estes dois velhos rivais, que já se conhecem desde que existe a prática do #Futebol na região de Santarém. Nem com o encontro do Benfica às 16h se deixou de deslocar uma grande moldura humana para assistir a este encontro, referente à 9ª jornada da Associação de Futebol de Santarém. Para os homens de amarelo era importante uma vitória para tentarem ascender ao 3º lugar, atualmente ocupado pela formação de Rio Maior. Para os alvinegros de Riachos, uma vitória era importantíssima para não perder a vista do pódio. 

Normalmente, em Riachos, as equipas forasteiras têm sempre grandes dificuldades para tomar conta dos jogo, devido às dimensões bastante características do Campo Coronel Mário Cunha. Nada a que os torrejanos não estejam já habituados, depois de anos e anos a defrontarem-se. No entanto, o Riachense foi quem tomou conta do encontro logo desde os primeiros minutos. 

A primeira metade deste derby foi completamente dominada pela equipa de Riachos, que tinha o seu técnico, Mário Nélson, sentado na bancada, devido a castigo. A primeira ocasião de perigo até foi do CDTN, quando Micael, de fora da área, logo no primeiro minuto, colocou João Mação em sentido, mas o esférico passou por cima do travessão. O mesmo Micael, e apenas decorridos mais 4 minutos, voltou a assustar. Levou a melhor sobre o defesa do Riachense Marco Carvalho e rematou com bastante força, mas a bola embateu nas malhas laterais.

A equipa da casa começou a tomar conta do encontro e a criar algumas ocasiões de golo. Exemplo da grande jogada de entendimento na marcação de um pontapé de canto, em que Paulito centrou para o interior da pequena área, onde Moleiro não conseguiu fazer golo, com algum mérito à atenção do guardião David. Estavam decorridos os primeiros vinte minutos deste grande jogo. 

E como não poderia deixar de ser, novamente Micael, aos 22', a obrigar João Mação a uma enorme defesa, evitando assim o primeiro do encontro. 

Ia-se adivinhado o desfecho desta primeira metade. O aviso foi quando Moleiro, a cruzamento de Paulito, enviou a bola ao poste da baliza do CDTN. O mesmo Paulito que, dois minutos depois (33'), fez o golo da tarde. Um daqueles para mais tarde recordar. Junto do meio-campo, e após alívio da defensiva dos amarelos, o defesa ajeitou a bola e mandou uma bomba "do meio da rua". Sem hipótese para David. Estava feito o primeiro da tarde.

Mas a primeira parte ainda tinha muito para contar. Aos 39', Pereira derrubou João Guerreiro dentro da área e o árbitro assinalou grande penalidade. Na conversão, Filipre Pereira aumentou a vantagem para 2-0. 

Os Torrejanos encostaram o Riachense à sua grande área e, depois de uma grande confusão, mesmo ao final da primeira parte, alívio da defesa alvinegra, com Joel à entrada da área a rematar para golo. A baliza estava completamente aberta, depois de João Mação ter ficado envolvido na enorme confusão no interior da pequena área. 

No segundo tempo, jogo um pouco mais desinteressante e sem golos a registar. Nota apenas para o enorme remate de Filipe Pereira, que foi embater no poste direito da baliza de David; Moleiro, na recarga, não conseguiu empurrar o esférico para o interior das redes. 

Com este resultado, o Riachense sobe ao 6º posto. O Torres Novas desce ao 4º lugar.