Já não há espaço para dúvidas. O SL #Benfica e a operadora NOS assinaram esta quarta-feira, dia 2, aquele que é o maior contrato no futebol português. A NOS passa a ter os direitos sobre as transmissões de jogos do SL Benfica e da Benfica TV. Trata-se de um acordo assinado por três anos, com hipótese de extensão para 10 anos. O Benfica vai receber 40 milhões por ano.

A confirmação oficial daquilo que começou como um rumor, e um negócio até algo improvável tendo em conta os valores, acaba de ser dada e um comunicado veio pôr fim às especulações. O SL Benfica e a NOS assinaram mesmo um contrato para a transmissão dos jogos do Benfica, assim como da Benfica TV. Este negócio, que é já apelidado por muitos como o maior negócio de sempre no futebol luso, envolve verbas a rondar os 40 milhões de euros por época, um valor que há muito o Benfica defendia, e que na altura, por não ter sido atingido, levou o clube da Luz a transmitir os jogos na Benfica TV.

Agora, e numa altura em que se falava que a nova dona da MEO, a Altice, estaria a preparar um novo contrato para o SL Benfica, a NOS antecipou-se, e numa jogada ousada acaba de fechar negócio com o Benfica, conseguindo não só os directos dos jogos, mas também as transmissões da Benfica TV. O acordo, que começa agora a ser conhecido na totalidade, aponta para uma verba a rondar os 25 milhões de euros pelas transmissões de jogos e os outros 15 pelas transmissões da Benfica TV.

Um outro pormenor conhecido tem a ver com a duração do contrato, sendo que para agora o negócio ficou fechado para três temporadas, mas que se poderá estender por mais sete, para um total de 10, assim o entendam ambas as partes. A NOS parece assim ter jogado cartada importante na concorrência com a sua rival MEO, e este negócio, pelos números envolvidos, vai certamente provocar um intenso debate sobre o real valor das transmissões televisivas, com clubes como o FC Porto e Sporting CP certamente a estarem atentos e a não quererem perder também a oportunidade de melhorarem os seus contratos.

Além disso, este negócio leva também a que aborte, pelo menos aparentemente, uma das ideias de Pedro Proença em negociar de forma centralizada a venda dos direitos televisivos. #Negócios