A saída de Lopetegui do FC Porto foi oficializada sexta-feira de manhã, mas ainda falta o seu sucessor. Por enquanto, Rui Barros vai orientar a equipa no jogo contra o Boavista e até já orientou o treino de anteontem, 8 de janeiro. Mas sabe-se que o adjunto do FC Porto entre 2005/06 e 2009/10, que desempenhou depois o papel de observador em 2010/11 com a chegada de André Villas-Boas, e que na última época voltou ao cargo de adjunto da equipa, não será opção definitiva até final da época.

E agora é que surgem vários nomes. Apesar de várias as opções para suceder a Lopetegui, há um preferido que recolhe unanimidade por partes de todos os portistas e mesmo dos dirigentes: André Villas-Boas é o eleito. Um regresso ao FC Porto seria bem-visto por parte do próprio, que deseja regressar a Portugal já na próxima época. Poderia até regressar já nesta época, porém há um entrave a este negócio: o dinheiro que o FC Porto terá que pagar ao actual clube de Villas-Boas, o Zenit. A somar a isso, o salário do treinador é um pouco elevado para o bolso dos clubes portugueses, incluindo o FC Porto. Porém, a vontade, quer do FC Porto, quer de Villas-Boas, poderá ser mais forte e pesar no seu regresso.

Villas-Boas treinou o FC Porto na época 2010/11 e acabou por dar nas vistas com a conquista do triplete, ou seja a conquista da Taça, do campeonato e de uma competição internacional (Liga Europa). Terminou o campeonato sem qualquer derrota e com 27 vitórias, com 73 golos marcados e 16 sofridos, um registo quase perfeito. Nessa época, o FC Porto ganhou por 5-0 no Dragão, frente ao seu maior rival, o Benfica. Esse é um dos melhores resultados dos azuis e brancos na sua história devido ao seu simbolismo, já que golear um rival é algo muito difícil. Villas-Boas é o treinador com a melhor média de vitórias do clube com quase 85% de vitórias na sua passagem pelo clube. Acabou por abandonar a sua "cadeira de sonho" no final da época para ir para o Chelsea, tal como Mourinho, após pouco mais de duas épocas no Dragão.

Mas André Villas-Boas não é a única hipótese, existem outros possíveis sucessores, entre eles Nuno Espírito Santo, Jesualdo Ferreira, Luís Castro, Marco Silva e Leonardo Jardim. A hipótese Nuno Espírito Santo começa a perder força, embora esteja sem clube neste momento, após ter sido despedido do Valência. Jesualdo Ferreira foi o primeiro a ser apontado, mas tem clube; apesar disso não deverá ser muito caro ir buscá-lo ao Qatar, onde está a treinar.

Marco Silva é um dos grandes favoritos; o seu sucesso no Estoril-Praia levou a equipa à 1ª Divisão e logo na primeira época ao mais alto nível do futebol português colocou a equipa no 5º lugar. Na última época treinou o Sporting, onde ganhou o primeiro título do clube em mais de 5 anos, a Taça de Portugal. Esta época treina o Olympiakos, onde já soma 16 vitória em outros tantos jogos na Liga Grega. Por isso, a sua contratação deverá ser difícil, ainda para mais sabendo que o FC Porto tem que pagar uma indemnização ao Sporting.

Por fim, Luís Castro, que é o de mais fácil contratação. Trata-se do actual treinador da equipa B dos Dragões e é apontado como o sucessor mais provável de Julen Lopetegui, pelo menos até final do ano. No comando da equipa B, Luís Castro está a fazer um excelente trabalho, com o 1º lugar da Segunda Liga e um futebol bonito, arrebatador e 'à FC Porto'.

Finalmente, Leonardo Jardim, que já treinou o Sporting e levou a equipa ao 2º lugar, agora treina o Mónaco, mas a relação com a direcção não é muito boa.

De referir uma pequena curiosidade quanto a Rui Barros, que assumiu interinamente o cargo de treinador do FC Porto: surpreendentemente, ele soma mais títulos do que Lopetegui. Na época 2005/06 substituiu, também interinamente, o treinador Co Adriaanse, tendo ganho no único jogo que fez, enquanto treinador principal, a Supertaça Portuguesa. Lopetegui, em ano e meio não conquistou qualquer título. Na próxima semana, poderemos já saber o sucessor. #F.C.Porto #Primeira Liga Portuguesa