Foi nesta quinta-feira, 24 de Março, que o mundo do futebol se despediu de Johan Cruyff, de 68 anos. Considerado um dos melhores jogadores da história do futebol, conquistou três bolas de ouro (em 1971, 1973 e 1974) e em 1999 foi distinguido como um dos melhores jogadores do século XX.

Nasceu no dia 25 de Abril de 1947 em Amesterdão, Holanda. Como jogador, destacou-se no Ajax, Barcelona e ao serviço da selecção holandesa. Em 1974, Cruyff levou a 'laranja mecânica' à final do Campeonato do Mundo na República Federal da Alemanha, que acabaria por ser derrotada por 2-1 frente à seleção "da casa".

Como treinador, Cruyff ficará na história do Barcelona por ter implementado o "futebol total", um sistema de jogo inovador que já havia experimentando enquanto jogador, nomeadamente ao serviço da sua seleção no Campeonato Mundial de 1974.

Publicidade
Publicidade

Este tipo de jogo caracteriza-se pela rotação dinâmica dos jogadores pelas várias posições em campo, assim como na importância da posse de bola e do ataque em detrimento da defesa. Conquistou quatro títulos consecutivos e uma Taça dos Campeões Europeus em 1992.

Tal como o próprio dizia, tinha "dois grandes vícios: fumar e jogar futebol. O futebol deu-me quase tudo na vida; pelo contrário, fumar quase a tirou”. Johan Cruyff era conhecido por ser irreverente: fala-se que fumava no balneário, durante os intervalos dos jogos.

No Mundial de 1978, organizado pela Argentina, diz-se que Johan Cruyff terá recusado integrar as competições por causa da ditadura argentina em vigor. No entanto, o ex-futebolista assumiu, em 2010, para uma rádio catalã, que não foi ao Mundial pelo rapto de que a sua família foi alvo um ano antes.

Publicidade

Nessa entrevista, Cruyff disse: "tive uma pistola apontada à minha cabeça, fui amarrado, a minha mulher foi amarrada. As crianças estavam no apartamento em Barcelona" (...) "Para jogar num Mundial teria de estar a 200%. Há momentos em que outros valores se sobrepõem". A prova acabou por ser ganha pela equipa anfitriã, eliminando a Holanda na final.

Fumou durante vários anos: em 1991 deixou o tabaco, e foi cara de uma campanha anti-tabágica. Em Outubro do ano passado anunciou a descoberta de um #Cancro no pulmão.

Pode ler-se no site do antigo futebolista e treinador holandês que "faleceu em paz, em Barcelona, rodeado da sua família depois de uma dura batalha contra o cancro. É com grande pesar que pedimos que respeitem a privacidade da família durante este período de luto”. #F.C. Barcelona