Inspectores da Unidade Nacional de Combate à Corrupção da #Polícia Judiciária detiveram na tarde deste sábado, 14 de Maio, quatro jogadores do Clube Oriental de Lisboa. A detenção ocorreu após a partida contra o Atlético, no Estádio da Tapadinha, em Lisboa, a contar para a 46.ª jornada da Ledman LigaPro. A operação da Polícia Judiciária foi designada por “Jogo Duplo” e estendeu-se a outros pontos do país, onde terão ocorrido também detenções. Em causa estão eventuais jogos viciados.

O anúncio da detenção foi feito pelo próprio Oriental, através de uma informação publicada na sua página no Facebook. O clube lisboeta informa que os inspectores da Polícia Judiciária abordaram os jogadores André Almeida, Diego Tavares, João Pedro e Rafael Veloso, tendo-os levado “para as suas instalações para serem ouvidos”. Dá conta, ainda, que o presidente do clube, José Fernando Nabais, contactou com o Comissário-Chefe da PJ, que não lhe adiantou quais os motivos daquela operação. No entanto, a direcção do clube garantiu que irá prestar “todo o apoio” aos atletas, “uma vez que quem não deve, não teme”.

Por sua vez, a agência Lusa dá conta que se trata de uma operação designada “Jogo Duplo”, desenvolvida pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da Polícia Judiciária, e que decorreu em todo o país, originando a detenção de cerca de dezena e meia de pessoas, entre dirigentes e jogadores de futebol. Para além do jogo entre Atlético e Oriental, no Estádio da Tapadinha, os inspectores estiveram presentes também no jogo que colocou frente a frente o Oliveirense e o Leixões. Um dos detidos terá sido o próprio presidente da direcção do Leixões, Carlos Oliveira, a par de um outro dirigente do mesmo clube.

A agência Lusa cita uma fonte policial para informar que aquela operação está em curso em todo o país e está relacionada com o “combate à corrupção no fenómeno desportivo”. Entretanto, a Liga Portuguesa de Futebol Profissional já reagiu às detenções ocorridas neste sábado, referindo que condena “todas as práticas que não respeitem a verdade desportiva ou a tentem desvirtuar”. O organismo acrescenta que está confiante na capacidade das autoridades, esperando que sejam investigados e apurados qualquer tipo de “ilícito”. A Liga garante defender um “futebol profissional limpo, responsável e moderno.” #Justiça #Crime