Neste 14 de Junho de 2016, Portugal iniciou a sua caminhada no Europeu de França, em Saint-Étienne, enfrentando a seleção da Islândia. Na tarde desta terça-feira já se tinha realizado o outro jogo deste grupo F, que opôs a Hungria à Áustria, acabando com uma vitória por dois a zero para a seleção húngara. Os golos foram marcados por Szalai e Stieber.

Antes da bola rolar, o jogo de Portugal ficou marcado por uma situação curiosa, quando alguns adeptos já estavam no interior do estádio Geoffrey-Guichard e foram aconselhados a sair devido ao alarme ter disparado. Mas o que se temeu ser uma ameaça terrorista, felizmente não passou de um alarme que disparou por engano e, passados poucos instantes, os adeptos puderam regressar ao recinto.

Publicidade
Publicidade

Quaresma era a grande dúvida do lado das quinas e acabou por ficar no banco dos suplentes. Rui Patrício, Vieirinha, Pepe, Ricardo Carvalho, R. Guerreiro, Danilo, Moutinho, A. Gomes, Nani, J. Mário e C. Ronaldo formaram o onze inicial escolhido por Fernando Santos para se estrear na competição.

Portugal teve sempre o controlo do jogo, mais oportunidades de golo, mais posse de bola e 26 remates à baliza da Islândia (o que fez com que Portugal se tornasse a seleção com mais remates efetuados na 1.ª jornada desta fase de grupos). A Islândia apresentou uma seleção organizada, sem a qualidade técnica dos portugueses, mas defensivamente muito compacta, solidária, tendo como ponto forte a elevada estatura dos seus jogadores.

Aos 31’, André Gomes combina bem com Vieirinha e assiste na perfeição Nani que inaugura o marcador para a seleção das quinas.

Publicidade

E apesar das oportunidades, a excelente exibição de Halldórsson ou a falta de pontaria portuguesa impediu que o resultado fosse mais dilatado ao intervalo.

No recomeço do jogo, a Islândia criou a sua melhor jogada de ataque chegando mesmo ao golo do empate por Birkir Bjarnason aos 50’, que aproveitou a desatenção de Vieirinha para rematar, colocando a bola fora do alcance de Rui Patrício.

Portugal sentiu o golo sofrido e o meio-campo não conseguiu impor a dinâmica que o jogo pedia à seleção, para que conseguisse criar maior perigo à Islândia. Fernando Santos optou assim por colocar, no decorrer da 2.ª parte, Renato Sanches, Quaresma e Éder para os lugares de Moutinho, João Mário e André Gomes respetivamente. Mas apesar destes jogadores terem incutido mais velocidade à ofensiva das quinas, o resultado não mais se alterou, colocando assim a Hungria em 1.º lugar no grupo, seguida de Portugal e Islândia em igualdade pontual e Áustria em último.

O próximo jogo de Portugal realiza-se dia 18 de Junho às 20h no estádio Parque dos Príncipes em Paris, frente à Áustria, num jogo que opõe as seleções que à partida eram consideradas favoritas à passagem na fase de grupos, sendo por isso um jogo muito importante para ambas. #Selecção #Euro2016