Neste 14 de Junho de 2016, Portugal iniciou a sua caminhada no Europeu de França, em Saint-Étienne, enfrentando a seleção da Islândia. Na tarde desta terça-feira já se tinha realizado o outro jogo deste grupo F, que opôs a Hungria à Áustria, acabando com uma vitória por dois a zero para a seleção húngara. Os golos foram marcados por Szalai e Stieber.

Antes da bola rolar, o jogo de Portugal ficou marcado por uma situação curiosa, quando alguns adeptos já estavam no interior do estádio Geoffrey-Guichard e foram aconselhados a sair devido ao alarme ter disparado. Mas o que se temeu ser uma ameaça terrorista, felizmente não passou de um alarme que disparou por engano e, passados poucos instantes, os adeptos puderam regressar ao recinto.

Quaresma era a grande dúvida do lado das quinas e acabou por ficar no banco dos suplentes. Rui Patrício, Vieirinha, Pepe, Ricardo Carvalho, R. Guerreiro, Danilo, Moutinho, A. Gomes, Nani, J. Mário e C. Ronaldo formaram o onze inicial escolhido por Fernando Santos para se estrear na competição.

Portugal teve sempre o controlo do jogo, mais oportunidades de golo, mais posse de bola e 26 remates à baliza da Islândia (o que fez com que Portugal se tornasse a seleção com mais remates efetuados na 1.ª jornada desta fase de grupos). A Islândia apresentou uma seleção organizada, sem a qualidade técnica dos portugueses, mas defensivamente muito compacta, solidária, tendo como ponto forte a elevada estatura dos seus jogadores.

Aos 31’, André Gomes combina bem com Vieirinha e assiste na perfeição Nani que inaugura o marcador para a seleção das quinas. E apesar das oportunidades, a excelente exibição de Halldórsson ou a falta de pontaria portuguesa impediu que o resultado fosse mais dilatado ao intervalo.

No recomeço do jogo, a Islândia criou a sua melhor jogada de ataque chegando mesmo ao golo do empate por Birkir Bjarnason aos 50’, que aproveitou a desatenção de Vieirinha para rematar, colocando a bola fora do alcance de Rui Patrício.

Portugal sentiu o golo sofrido e o meio-campo não conseguiu impor a dinâmica que o jogo pedia à seleção, para que conseguisse criar maior perigo à Islândia. Fernando Santos optou assim por colocar, no decorrer da 2.ª parte, Renato Sanches, Quaresma e Éder para os lugares de Moutinho, João Mário e André Gomes respetivamente. Mas apesar destes jogadores terem incutido mais velocidade à ofensiva das quinas, o resultado não mais se alterou, colocando assim a Hungria em 1.º lugar no grupo, seguida de Portugal e Islândia em igualdade pontual e Áustria em último.

O próximo jogo de Portugal realiza-se dia 18 de Junho às 20h no estádio Parque dos Príncipes em Paris, frente à Áustria, num jogo que opõe as seleções que à partida eram consideradas favoritas à passagem na fase de grupos, sendo por isso um jogo muito importante para ambas. #Selecção #Euro2016