O FC Porto saiu "vivo" do derby da cidade do Porto e mantém-se a um ponto do líder. Bastou um golo de Soares, aos 7 minutos, para garantir os 3 preciosos pontos. Houve de tudo na partida: emoção, picardias, lances polémicos, expulsões e muita luta. Podia ser este o resumo da partida. Destaque também para a classe evidenciada por Óliver Torres e pelo goleador Soares. Após a derrota na Liga dos Campeões, o FC Porto respondeu bem e mantém a pressão ao líder. E já só faltam 3 jornadas para o jogo da Luz.

O técnico do FC Porto colocou sua equipa mais recuada no terreno de jogo e colocou André Silva no banco de suplentes, mudando do seu habitual 4x4x2 para um 4x3x3. Pode-se dizer que Miguel Leal, técnico axadrezado, foi surpreendido pelo modelo de jogo apresentado pelo adversário.

Na entrada do jogo o FC Porto foi demolidor, impedindo o #Boavista de sair do seu meio-campo. Os movimentos dos dois médios centro do FC Porto, Óliver e André André, levaram demasiado tempo a serem percebidos pelos jogadores boavisteiros.

A pressão portista chegou a ser sufocante e o golo parecia iminente na baliza do Boavista. Aconteceu por intermédio de Soares. Mas, de uma forma inexplicável, nos últimos 20 minutos da primeira parte o #F.C.Porto praticamente não existiu no relvado. Anderson Carvalho e Fábio Espinho começaram a ter muito tempo para pensar o jogo ofensivo do Boavista e começaram a ameaçar a baliza de Casillas. Nesta fase valeram ao FC Porto Boly e o próprio guarda-redes, Casillas, para evitar o empate dos axadrezados.

No final da primeira parte o FC Porto voltou a assustar a baliza do Boavista: Soares por duas vezes e Óliver tiveram o segundo golo nos pés. Em cima do intervalo, entrada muito dura de Talocha sobre Corona. Este acabaria por sair lesionado. Surgiram muitos protestos; Nuno Espírito Santo foi expulso, já no túnel, após o final da primeira parte.

Ao intervalo o FC Porto estava por cima no jogo, mas ainda estava tudo em aberto. Posto isso, Miguel Leal foi muito corajoso por, logo no início da segunda parte, ter colocado mais um avançado em campo. Mas para a entrada do avançado saiu Fábio Espinho e a bola passou a não chegar à frente de ataque com qualidade para os avançados poderem alvejar a baliza contrária. As bolas eram bombeadas na área, apanhando os defesas de frente, logo com vantagem no confronto com os avançados.

Destaque ainda para a expulsão de Maxi Pereira já nos últimos 10 minutos da partida. Vitória suada para o FC Porto. #Primeira Liga Portuguesa