Realizou-se na tarde deste domingo, 5 de fevereiro, no estádio da Luz, o encontro relativo à vigésima jornada da #Liga NOS entre #Benfica e #Nacional da Madeira. De realçar os regressos de Eliseu e Salvio para os lugares de André Almeida e Franco Cervi, respectivamente, de resto tudo igual a Setúbal.

O jogo começou com a equipa encarnada algo desconfiada de si própria, não conseguindo acercar-se da baliza contrária. A primeira ocasião de golo aconteceu aos treze minutos quando, após um livre lateral de Pizzi, Jonas remata sobre o travessão da baliza de Adriano. Chegado o minuto vinte e seis, Zivkovic cruza da direita para a área, onde aparece Jonas a finalizar de cabeça para o fundo das redes, acalmando assim a equipa e os adeptos.

Publicidade
Publicidade

Foi necessário esperar mais dez minutos para que Jonas, com um remate colocado de pé esquerdo e fora da área, duplicasse a vantagem encarnada. Quanto à equipa do Nacional da Madeira, não obteve qualquer situação de golo e esteve bastante curta no terreno de jogo, recorrendo muitas vezes a faltas, algumas bem duras.

Após o intervalo, o jogo retomou com um ritmo lento, até que a dez minutos do final, uma boa combinação à esquerda entre Rafa e Jonas permite ao primeiro assistir Mitroglou para o resultado final de três a zero.

O Benfica não fez um jogo brilhante, longe disso, mas foi eficaz nas situações que criou. É importante, nesta altura, mesmo não jogando bem, conseguir os três pontos. A cada jogo que passa, o objectivo final fica mais próximo e quem vem atrás, mesmo ganhando, continua no segundo lugar, e vai ficando, a nível anímico, mais fraco.

Publicidade

Mas convém guardar os festejos do tetra lá para maio pois existem ainda muitos pontos em disputa e qualquer escorregadela, neste momento, implica a perda da liderança da Liga.

Duas notas finais: a estreia do reforço de inverno Filipe Augusto, para o lugar de Pizzi, ao minuto 75, e o facto de, após duas derrotas consecutivas por parte do Benfica, o estádio da Luz ter tido uma assistência superior a 48 mil pessoas, mais do que, por exemplo, as que assistiram ao vivo à vitória do Porto frente ao Sporting. Sinal de que os adeptos encarnados continuam com a equipa, o que é sempre importante para que os jogadores sintam o apoio de fora.