"Avião desaparecido", lê-se nas principais manchetes dos órgãos de comunicação internacionais de hoje. Infelizmente, este ano já não é a primeira vez que tal acontecimento é noticiado, o que nunca tinha acontecido na história da aviação civil moderna. De facto, nas últimas décadas, nunca um ano tinha sido tão negro e com casos tão misteriosos, como o presente ano, que agora termina. Mais de 650 mortes já foram registadas nos últimos meses vítimas de acidentes de aviação, mais do que em 2013 e 2012 juntos. Dois aviões desaparecidos e um abatido, todos estes aviões malaios, foram os que causaram mais mortes este ano.

Madrugada deste domingo, por volta das 6:17: o comandante de um Airbus A320-200 da Air Asia comunicou ao controlo de trafego aéreo que iria subir aos 38 mil pés, com o objectivo de evitar o mau tempo, tendo sido este o seu último contacto.

Publicidade
Publicidade

O aparelho sobrevoava as águas do sudoeste da ilha do Bornéu quando deixou de responder. Transportava 162 pessoas, 7 delas membros da tripulação, e fazia a rota Indonésia- Singapura. "A AirAsia Indonésia lamenta confirmar que a torre de controlo de tráfego aéreo perdeu contacto com o voo QZ-8501 às 7h24 desta manhã", disse a companhia low-cost em comunicado.

As buscas já estão em andamento para descobrir o paradeiro do avião, mas estas foram suspensas há poucas horas com o cair da noite. Ainda pouco se sabe, mas presume-se que o avião tenha enfrentado uma situação crítica e não tenha aguentado o impacto. Apesar das mais de 6 mil horas de voo do piloto e dos testes frequentes que era submetido o avião, este será o cenário mais provável. Aguardando por novos desenvolvimentos, todo o apoio está a ser dado aos familiares das vítimas e os altos responsáveis da empresa já descrevem este dia como " o pior das suas vidas".

Publicidade

Em gesto de solidariedade e de luto, a Air Asia modificou as cores da sua foto de perfil e de fundo do seu Facebook oficial para um tom preto.

A confirmar-se o pior, os três maiores acidentes de aviação civil que mancharam o ano de 2014 são de origem malaia. Em Março, um avião da Malaysia Airlines que partiu de Kuala Lumpur com destino a Pequim desapareceu dos radares e nunca mais foi descoberto, apesar de todos os esforços, que ainda hoje duram. Viajavam 239 pessoas e o que verdadeiramente aconteceu é desconhecido. Em Julho, 298 ocupantes de outro aparelho da Malaysia Airlines morreram. A aeronave foi abatida por um míssil terra-ar numa zona de conflito no leste da Ucrânia, onde lutam ucranianos e rebeldes pró-Rússia. Desconhece-se a autoria do ataque.