O proprietário de um circo italiano foi preso e acusado de abuso de #Animais em Brescia, Itália, por tentar fazer passar cães por pandas. Para este efeito, o circo utilizava tinta preta, disfarçando assim os cães de raça chow chow, que foram importados da Hungria. Os proprietários poderão enfrentar agora acusações de abuso de animais e fraude e poderão estar sujeitos a acusações adicionais por falsificarem o passaporte dos animais. As autoridades fecharam o circo depois de dezenas de pessoas pagarem para tirar fotos com os pandas falsos antes do espectáculo começar.

De acordo com a polícia italiana, os cães aparentavam estar bem de saúde, apresentando apenas olhos lacrimejantes, possivelmente provocados pelos flashes das fotografias a que estavam expostos.

Publicidade
Publicidade

Ambos os cães - um macho e uma fêmea - têm menos de 6 meses de idade. Defendendo-se das acusações, o secretário do circo, Riccardo Gravina, referiu que era "óbvio" que eram cães e negou ter afirmado que eram pandas. Acrescentou ainda que "nenhum animal foi maltratado. Eles são como filhos para nós."

A fraude foi denunciada por representantes do Partito Protezione Animal (PPA), uma associação italiana que luta pelos direitos dos animais, que fez uma visita à paisana ao circo para recolher possíveis evidências de maus-tratos aos animais. Contudo, depararam-se com algo mais estranho. "À entrada do circo estavam dois animais que eram apresentados como pandas bebés e os clientes eram incentivados a tirar fotografias com os dois animais. Mas quando os nossos voluntários se aproximaram perceberam logo que os animais não eram pandas do leste asiático, mas sim dois chow chow pintados de preto e branco para parecerem pandas", referiu o presidente da PPA, Fabrizio Catelli.

Publicidade

A polícia apreendeu os dois exemplares caninos porque os seus passaportes tinham sido forjados e os cães eram seis meses mais jovens do que o que constava no documento. Contudo, foi permitido ao circo ficar com os cães na condição de não voltarem a ser exibidos nos espectáculos circenses. Posto isto, a insatisfação da PPA já se fez notar com Catelli a dizer que "consideramos inaceitável ridicularizar animais para #Entretenimento e lucro".

De acordo com a polícia italiana, os cães foram disfarçados de pandas para que as crianças e os seus pais pensassem que se tratavam de exemplares chineses raros e pagassem para tirar fotografias com eles. Os clientes foram informados pela polícia do sucedido. Recorde-se que a possibilidade de pandas reais estarem em circos é muito reduzida. Estes animais, originários da China, apenas poderão ser vistos em zoológicos. Fica o aviso.