A Coreia do Norte chamou "macaco" ao presidente norte-americano Barack Obama, em resposta ao lançamento do filme The Interview no dia de Natal. O adjectivo veio, segundo o Expresso, da comissão nacional de defesa norte-coreana, e surge no contexto do lançamento do filme no #Cinema e na internet. A Coreia acusa Obama de ter instigado a exibição do filme, e compara a sua imprudência à de um "macaco  numa floresta tropical." A ditadura do Extremo-Oriente deixa também nova ameaça aos Estados Unidos, prometendo novas retaliações se o país continuar com a sua postura "arrogante". 


The Interview, com James Franco e Seth Rogen nos principais papéis (e com direcção deste último), é uma comédia que retrata a tentativa de dois jornalistas de assassinar Kim Jong-Un, o líder da Coreia do Norte. O filme apresenta-se como uma grande sátira ao regime norte-coreano e terá motivado, como retaliação, o ataque informático de que a Sony Pictures foi alvo. As autoridades norte-coreanas começaram por não confirmar nem desmentir a autoria do ataque, mas depois do cancelamento do filme por parte da Sony, vieram desmentir a acusação. Na sequência de um "apelo" velado de Obama ao seu lançamento, e de bastante apoio popular nos Estados Unidos, o filme acabou mesmo por ser lançado em algumas salas de cinema no dia de Natal, estando também disponível na internet. O lançamento do filme foi também precedido de uma retaliação informática, por parte dos Estados Unidos, e que levou a que a Coreia do Norte estivesse sem internet durante cerca de 9 horas, entre os dias 22 e 23 de Dezembro. 


Até ao momento, e depois da nova ameaça emitida pela Coreia do Norte juntamente com o insulto a Obama, desconhecem-se novas consequências ou episódios da guerra cibernética entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos. Com toda a publicidade que recebeu por ser o centro de um conflito diplomático e cibernético, "The Interview" recebeu um grande número de visualizações, mas as críticas não parecem ser as mais favoráveis. Eurico de Barros, o crítico de cinema, aponta no Observador que o filme é "muito barulho por quase nada" e que a qualidade do argumento é muito pobre. Eurico de Barros compara com "Team America: Polícias do Mundo", realizado por Trey Parker e Matt Stone (criadores de South Park) há 10 anos, e que poderia ter também merecido mais atenção da própria Coreia do Norte, por ser bem mais agressivo com o seu regime.