A Coreia do Norte sugeriu aos Estados Unidade da América a elaboração de um inquérito conjunto com o intuito de averiguar a autoria do ataque informático contra o grupo Sony Pictures, ocorrido no fim de Novembro, alegando não ter responsabilidade perante tal acontecimento. O ministério dos Negócios Estrangeiros norte-coreano propõe a realização de um inquérito na sequência da insistência dos Estados Unidos em atribuírem, de forma pouco fundamentada, a autoria do ataque aos norte-coreanos. Em comunicado, o ministério vai mais longe e alega ter os meios para provar que não deverão ser responsabilizados por este acontecimento.

A Coreia do Sul também se pronunciou sobre este incidente, acusando a Coreia de Norte de ataques contra o grupo Sony Pictures, apoiando assim os Estados Unidos e defendendo que os norte-coreanos deverão ser responsabilizados por tais acontecimentos.

Publicidade
Publicidade

Para além do referido, a Coreia do Sul compara este acontecimento ao sucedido, no ano passado, em agências de notícias sul-coreanas e em bancos, tendo a responsabilidade sido atribuída a Pyongyang.

A Coreia do Sul indicou ter interesse em partilhar com os Estados Unidos informações relacionadas com o ataque informático ocorrido e em apostar num reforço da cooperação internacional como forma de combater possíveis novas ameaças informáticas. Quanto ao Japão, a mensagem foi a mesma. Em comunicado, um assessor do primeiro-ministro Shinzo afirmou que o "Japão apoia a abordagem dos Estados Unidos relativamente a este problema". Todavia, não se pronunciou especificamente sobre os ataques informáticos da Coreia do Norte.

Nos finais de Novembro a empresa Sony Pictures sofreu um ataque informático que veio a ser reivindicado por um grupo de piratas informáticos, o "Guardians of Peace"; nesse período várias informações foram furtadas e difundidas.

Publicidade

Na sequência deste ataque, a Sony Pictures cancelou a estreia do filme " The Interview", que se baseava na história fictícia de um conjunto de agentes da CIA que planeavam assassinar Kim Jon-un, o líder norte-coreano. Quanto à Coreia do Norte, insiste em desmentir a acusação que lhe foi feita na sequência do ataque informático.