A ex-rainha Fabíola, que morreu no passado dia 5 de dezembro, sexta-feira, com 86 anos, tomou a decisão de deixar o total do seu património a uma organização sem fins lucrativos. Esta tem como objetivo ajudar os mais necessitados e desfavorecidos. O testamento da ex-rainha Fabíola foi redigido nos seus últimos dias de vida. A sua herança foi entregue à organização "Obras da Rainha", criada no ano de 1960, após o seu casamento com Balduíno I.

Vai ainda ser realizado o inventário de todo o património privado da ex-rainha Fabíola, para que seja possível determinar com exactidão o que será deixado e posteriormente entregue à instituição de solidariedade.

Publicidade
Publicidade

Os valores ainda não estão definidos.

Fabíola casou com o rei Balduíno I e eles nunca chegaram a ter filhos, e a tal herança não vai para os seus sobrinhos, mas sim para a caridade. Esta sua última vontade irá definitivamente renovar a imagem desta monarca belga. Pois em vida ela viu-se envolta em bastante polémica. Polémica essa gerada, ao que tudo indica, porque ela terá criado um total de três fundações para que todo o seu legado fosse entregue às mãos da família, sem que para isso fosse necessário pagar os impostos elevados que são cobrados na Bélgica.

Fabíola chegou a ser alvo de muitas e diversas acusações. Pois houve sérios indícios de usar a dotação que recebia como rainha do Estado no intuito de alimentar essas fundações, mas estas acusações foram sempre negadas pela ex-rainha da Bélgica, enquanto foi viva.

Publicidade

Foi em janeiro do ano de 2013 que a Ex-rainha Fabíola esteve envolvida numa grande polémica. O momento em que tudo "explodiu", foi quando se descobriu a existência de uma fundação de seu nome: 'Fons Pereos'. Esta fundação foi criada pela viúva do rei Balduíno I e era através desta fundação que Fabíola poderia fazer chegar o seu dinheiro aos seus sobrinhos. Dessa forma ela conseguia fugir à elevada taxa de 70%, imposta pela legislação na Bélgica, quando não se refere a descendência direta. No mês de julho do ano de 2013, o tribunal de primeira instância dita pela dissolução desta mesma fundação.

Ao que parece esta ex-rainha da Bélgica queria fugir aos impostos do estado em vida, mas depois da sua morte, entrega tudo à caridade. Dá que pensar!