Durante anos, o chinês Yao Ming brilhou na Liga Norte-Americana de Basquetebol, com a camisola dos Houston Rockets. Retirado da modalidade desde 2010, o ex-jogador brilha agora fora de campo, em África, ajudando a despertar a consciência sobre o quanto importante é a proteção das espécies ameaçadas. Principal responsável por aproximar o Oriente à NBA, a mais importante liga de Basquetebol do mundo, Yao Ming trabalha hoje em dia numa área bastante diferente, mas que também lhe agrada. Ele contribui para a preservação dos #Animais em extinção no continente africano.

Em declarações, à Clarin, Yao Ming não esconde a importância que esta tarefa assumiu na sua vida: "Trabalhar para a proteção dos animais na África tornou-se um estilo de vida para mim".

Publicidade
Publicidade

Usando do prestígio que ainda preserva na NBA, Yao Ming revela ao mesmo órgão, que naquela competição norte-americana, decidiu estabelecer contatos e divulgar o seu projeto: "Muitos jogadores da NBA estão a aderir a esta causa, aposentados ou não. Dwayne Wade, Jeremy Lin, Dikembe Motumbo e Joakim Noah foram alguns dos que já contribuíram. Eles divulgaram o projeto e fizeram um vídeo para convencer as pessoas a pararem de consumir o marfim".

Uma das suas principais preocupações nesta causa são os elefantes e rinocerontes, animais sacrificados cada vez mais devido à extração do marfim, material muito bem visto no mercado internacional: "Muitos rinocerontes e elefantes são caçados para terem o marfim extraído. Por isso tentamos persuadir as pessoas para que não comprem objetos feitos com esse material.

Publicidade

Toda vez que vejo uma peça de marfim fico triste porque sei o que existe por trás", explicou Yao Ming à Clarin.

Uma previsão negra

A curto prazo, podem desaparecer do planeta 41% dos anfíbios, 26% dos mamíferos e 13% dos pássaros. A maioria da população de invertebrados está em constante de quebra desde os anos 1970, um redução estimada em 45%. No mesmo período, os vertebrados tiveram uma diminuição populacional de 30%. No total, nos últimos 500 anos, são já 322 espécies extintas. Neste ano de 2014, registou-se o desaparecimento de 3 espécies: A Labidura herculeana, que é um Lacrau gigante de Santa Helena; o lagarto da espécie Emoia nativitatis; e a Lesma Plectostoma sciaphilum.

Para 2015, os "cenários" traçados não são nada animadores. Estão classificadas 16 espécies que apresentam um sério risco de extinção. Um dos casos mais preocupantes a ter em conta neste novo ano são os rinocerontes brancos do norte, da espécie Ceratotherium simum cottoni. Apenas existem 5, sendo que todos eles vivem em cativeiro, e até ao momento ainda nenhum conseguiu deixar descendência. #Natureza