Um palestiniano identificado como Jamal Ghayathaa, de 45 anos, e que já teria estado numa prisão israelita por actividades violentas, atacou hoje um homem judeu com uma chave de fendas e as suas quatro filhas com ácido. O ataque ocorreu na Cisjordânia terá sido efectuado após o pai de família lhe ter oferecido boleia. Após o ataque, Jamal terá sido alvejado e ferido com gravidade por um transeunte. Este evento sucede alguns meses após a última intervenção militar na Faixa de Gaza e durante o alastrar dos conflitos na Síria e no Iraque, trazendo ao de cima, novamente, a tensão existente entre judeus e árabes no Médio Oriente.

Na última quarta-feira um ministro palestiniano, Ziad Abu Ein, foi morto em confrontos nos arredores de Ramallah, sendo a causa de morte disputada por médicos palestinianos e israelitas.

Publicidade
Publicidade

Noutro incidente, um palestiniano teria feito um veículo chocar com a barreira de cimento em redor de um posto fronteiriço. Desde o conflito da Faixa de Gaza, que terminou em Agosto, que os incidentes e as manifestações se têm repetido, levando a mais de vinte mortes até ao momento.

A situação entre Israel e a Palestina teve a sua génese moderna durante o estabelecimento do estado judaico, no final dos anos de 1940. Levou a um confronto directo entre judeus e árabes, e a situação tem-se repetido desde então. Os acordos de 1947 estabeleceram a Faixa de Gaza e a Cisjordânia como sendo parte de um futuro estado palestiniano, mas oposição por parte de judeus e árabes e confrontos entre os próprios palestinianos têm impedido isso de suceder. Desde então que Israel tem feito esforço para ocupar a Cisjordânia, levando à criação dos polémicos colonatos.

Publicidade

Em 1988 a Palestina declarava finalmente a sua independência e em 2012 foi declarada como um estado observador da ONU. Desde então que tem havido uma série de lutas amargas, não apenas para o reconhecimento mundial da Palestina como uma nação independente contra a oposição israelita, mas também internamente, com a Fatah e o Hamas a disputarem o controlo do governo.