No sábado o Ministério dos Assuntos Exteriores da Rússia publicou um documento intitulado " Principais acontecimentos da política externa em 2014", onde consta a informação de que o estabelecimento de relações com a União Europeia será um dos principais objetivos de política externa russa para os próximos anos, afirmando-se também que este ano ficará marcado por uma crise nas relações internacionais. Nos últimos tempos, o clima de tensão entre a Rússia e a União Europeia deve-se sobretudo à crise ucraniana. Todavia, apesar da fragilidade das suas relações, estas são importantes para a Moscovo, visto a União Europeia ser o seu maior aliado comercial.

Publicidade
Publicidade

O Ministério Russo acusa alguns Estados de agirem apenas em função dos seus interesses, o que, segundo o mesmo, coloca em causa a cooperação internacional. Para o ministério, o resultado desta política foi a crise ucraniana, que se caracteriza por uma clara "tentativa de dominação de vários Estados" (informação retirada do documento oficial, intitulado: Principais acontecimentos da política externa em 2014). O Ministério também culpa a União Europeia e os Estados Unidos de terem um papel ativo no golpe de Estado de Kiev e na campanha militar da Ucrânia.

A intervenção da Rússia no conflito ucraniano trouxe implicações para o país, que veio a sofrer grandes sanções económicas impostas pelos Estados Unidos e pela União Europeia. A Rússia já respondeu publicamente e, se por um lado alega que não houve uma intervenção militar, por outro frisa que os EUA são os principais responsáveis pelo clima de insegurança vivido na Ucrânia.

Publicidade

A União Europeia e a Rússia têm desenvolvido programas e projetos conjuntos nos campos da tecnologia, inovação e ciência. A relação entre a OSCE e a Rússia é um motivo de orgulho para os russos, garante o Ministério dos Negócios Estrangeiros, afirmando que esta cooperação tem como objetivo o estabelecimento de acordos de cessar-fogo.

As relações com os Estados Unidos são uma questão complexa

No presente, o restabelecimento das relações com os Estados Unidos é um cenário hipotético. Contudo não é descartada opção de, no futuro, se fomentarem relações bilaterais entre os dois países. Para isso, a Rússia refere que é necessário que Washington baseie o seu diálogo na igualdade e no respeito pelos interesses de ambas as partes.

Num comunicado, a Rússia alerta para o facto de a NATO ser um perigo iminente à segurança nacional. Esta afirmação surge porque os russos consideram que a organização está a ampliar o conflito na Ucrânia e a fomentar um conflito entre a Ucrânia e a Rússia.