A queda do valor do rublo, nos mercados cambiais, está a ter consequências muito sérias para a economia do país. Ontem, havia relatos de que muitos cidadãos russos estavam a correr para as lojas para fazer compras de modo a aproveitarem e livrarem-se dos seus rublos antes que a moeda perca mais valor. Os produtos mais procurados são de maior valor, como móveis, electrodomésticos, electrónica e até automóveis. A notícia surge apenas 2 dias depois do anúncio da subida das taxas de juro em 6,5%, medida que se está a revelar insuficiente para conter o afundamento da moeda.


Lojas internacionais, nomeadamente a Fiat, o McDonald's e a IKEA, já anunciaram um aumento de preços devido à desvalorização da moeda da Rússia. No caso do gigante sueco do imobiliário, havia relatos de filas nas caixas. Já a Apple suspendeu as vendas na sua loja online para o mercado russo. 


Putin já veio tentar tranquilizar os mercados, acusando circunstâncias externas de estarem a contribuir para esta situação, e mencionando explicitamente a baixa do petróleo. O primeiro-ministro russo estará certo na sua análise, uma vez que há várias semanas que é aventada a hipótese de a queda do preço do petróleo, instigada pela Arábia saudita, se tratar de uma agressão intencional dos Estados Unidos à economia da Rússia, muito dependente do preço alto do petróleo. Putin anunciou que a crise levará "no máximo, dois anos" até estar totalmente solucionada, embora preveja que recupere mais cedo, e que no imediato o governo vai proceder à venda de reservas de moeda estrangeira para controlar este problema. Além disso, e de acordo com o Observador, cerca de 25 a 30% do total da queda do rublo é causado pelas sanções económicas colocadas pela União Europeia e pelos Estados Unidos devido à crise na Ucrânia.
Contudo, o primeiro-ministro poderá estar a falhar em termos de censura dos jornais. O Vedornosti, jornal económico de referência do pais das matrioskas, indicou no seu editorial que a situação é "muito perigosa" e que uma corrida aos bancos pode estar "por dias." Só desde Junho, a moeda da Rússia perdeu 40% do seu valor. Relativamente a Portugal, nos últimos dias deixaram de se registar avistamentos de aeronaves da Força Aérea russa a fazer exercícios no espaço aéreo internacional à responsabilidade do nosso país.