As instituições de solidariedade social do Luxemburgo estão a recusar apoiar sem-abrigo estrangeiros que estejam há menos de cinco anos no grão-ducado, de acordo com a agência Lusa, que cita fonte da Caritas. Com esta decisão, muitos portugueses estão a atravessar momentos muito delicados naquele país. A missiva foi emanada do próprio Ministério da Família do Luxemburgo, entidade financiadora de um dos maiores abrigos da capital daquele país, que alberga mais de seis dezenas de pessoas e é mantido por uma Organização Não-Governamental religiosa. Aquela entidade estatal diminuiu o financiamento a estes abrigos, o que tem afectado os portugueses que vivem na rua, cujo número tem aumentado de dia para dia.

Publicidade
Publicidade

Caritas já teve de recusar apoio a sem-abrigo portugueses naquele país

A própria Caritas foi forçada a recusar pedidos de ajuda de portugueses naquele país e alguns emigrantes tiveram mesmo de abandonar os abrigos. Refira-se, a propósito, que antes desta missiva, bastava a qualquer pessoa residir no Luxemburgo há três meses para ter direito a ser acolhida num abrigo. Existem mesmo casos, de acordo com aquela ONG, de portugueses a residir no Luxemburgo há muitos anos, mas que não conseguem fazer prova de residência, condição para serem acolhidos nos abrigos. Estas normas terão sido criadas para fazer face ao denominado turismo social, mas estão a afectar pessoas que realmente necessitam de apoio, de acordo com as ONG no terreno.

Quem perde endereço fixo deixa de poder ser admitido a quase tudo no Luxemburgo

A perda de um endereço fixo é impeditiva de se fazer quase tudo no Luxemburgo, pelo que quem perde o emprego e deixa de poder pagar a renda, não pode fazer prova de residência e nem para um abrigo pode ir.

Publicidade

Refira-se que o governo do Luxemburgo garante alojamento para os sem-abrigo no Inverno. No entanto, a partir do final de Março, apenas pode frequentá-los quem tem autorização de residência permanente, disse à Lusa um dos responsáveis da Caritas. O Luxemburgo tem endurecido as medidas para restringir a chegada de imigrantes estrangeiros ao país. #Desemprego