Estudiosos norte-americanos realizaram um estudo onde colocaram em causa como os jovens americanos caucasianos agiriam numa situação onde pudessem ter relações sexuais com uma mulher contra a sua vontade. Os resultados são escandalosos: 31,7% declarou que teria relações sexuais com uma mulher contra a vontade dela, ou seja, a violaria. Grande parte dos jovens masculinos inquiridos dizem que não assumem esta atitude como uma violação. Sendo que quando lhes foi perguntado directamente se violariam uma mulher, apenas 16,3% respondeu positivo. Isso demonstra o comportamento violento desses homens perante as mulheres e sem receio de o dizerem.

Os estudiosos informam que "Alguns homens afirmaram que usariam a força para ter uma relação sexual mas negam ter violado uma mulher".

Publicidade
Publicidade

Na Universidade de North Dakota, este estudo - local onde se realizou - chocou a população feminina. É uma situação complicada que deve ser colocada em causa: Até que ponto a educação que as escolas dão aos jovens está a funcionar?

A ONU, em estudos recentes, informou que uma em cada dez mulheres foi vítima de violação até aos 20 anos de idade, o que corresponde a mais ao menos cerca de 120 milhões de mulheres jovens em todo o mundo. O Director Executivo afirmou que "Esses são fatos desconfortáveis, nenhum governo ou pai vai querer vê-los. Mas se não enfrentarmos a realidade que cada estatística representa - a vida de cada mulher que tem direito à segurança, a uma infância protegida e que foi violada - nunca deixaremos de pensar que a violência contra as crianças é normal e permissível.

Publicidade

E não é."

Várias campanhas são realizadas no sentido de prevenir estes acontecimentos. No entanto, parece impossível acabar com este crime. Cada vez mais as mulheres são vítimas de violações e de violência doméstica. Os dados do ano de dois mil e quatorze dizem que esse foi o ano em que mais mulheres foram vítimas de violência doméstica, havendo uma grande percentagem de situações que culminam na morte da vítima. Espera-se que as escolas americanas tomem medidas após a realização deste estudo.