O campo de concentração alemão Auschwitz-Birkenau foi construído pelas tropas alemãs no ano de 1940. O principal objectivo era que o mesmo se tornasse num lugar de encarceramento da população polaca. Em 1942, este campo de concentração localizado em território alemão tornou-se o maior local de assassínio em massa da História - mais de 1,3 milhões de pessoas perderam a vida entre 1940 e 1945 naquele que é, agora, um local de visita turística. Não eram só os polacos os mais afectados - também os judeus, ciganos, prisioneiros de guerra soviéticos e prisioneiros oriundos de diversos países. A libertação deste povo dos campos de concentração de Auschitwz só foi possível aquando a chegada do denominado Exército Vermelho.

Publicidade
Publicidade

Na tentativa de libertação dos prisioneiros faleceram mais de 230 militares soviéticos. 

Hoje celebra-se o 70.º ano após a libertação do povo em Auschitwz. Cerca de 300 sobreviventes do mesmo voltaram ao local para recordar o que se sucedeu durante vários anos - um terror de vida que só terminou a 27 de Janeiro de 1945. A acompanhá-los estarão vários chefes de estado. Leon Weintraub, um judeu polaco que conseguiu fugir, tornando-se um dos sobreviventes de Auschwitz (o único sobrevivente da sua família e dos poucos de todo o campo de concentração), falou com a RTP sobre o momento em que chegou ao local de horror: "Chegámos de manhã após duas noites e dois dias de viagem, sem nada para beber, sem comida. Abriram as portas e vimos loucos de pijama". Quase todos os sobreviventes tem mais de 90 anos de idade por isso este ano assume-se como um dos últimos em que será possível celebrar esta libertação com tantos sobreviventes presentes.

Publicidade

O campo de concentração recebe cerca de um milhão de visitantes por ano por ser considerado o maior e mais mortífero campo de extermínio de domínio nazi.

Actualmente existe o Museu de Auschwitz-Birkenau que se encontra aberto desde o ano de 1947 nos edifícios do próprio campo de concentração. É considerado Património da Humanidade pela UNESCO (1979), sendo um dos maiores símbolos do Holocausto.