Morreram dez pessoas e há registo de outras 13 feridas - seis das quais com gravidade - após a queda de um avião militar grego numa base área em Albacete, no sudeste de Espanha. De acordo com os relatos do Ministério da Defesa, divulgados pelo jornal El País, o F-16 em questão teve problemas no momento de levantar voo e acabou por colidir com outas aeronaves militares que se preparavam, também elas, para descolar da base de Los Llanos. Teme-se, agora, que o número de vítimas mortais deste acidente, que ocorreu às 15h30 (menos uma hora em Portugal), ainda possa aumentar.

Segundo o que o El País conseguiu apurar, os dez mortos oficialmente confirmados até ao momento eram todos militares da NATO.

Publicidade
Publicidade

Entretanto, dados recolhidos pela AFP asseguram que a maioria das pessoas afectadas não era de nacionalidade espanhola. Já relativamente às vítimas mortais, sabe-se que duas delas eram os pilotos do F-16 grego. De acordo com a imprensa espanhola, a base militar de Los Llanos está neste momento rodeada por ambulâncias, helicópteros e outros veículos de emergência, aos quais se junta agora a investigação das autoridades policiais.

O Ministério da Defesa - ainda de acordo com o El País - refere que o avião "perdeu força" no momento em que tinha abandonado o solo e acabou por colidir com "algumas aeronaves" que aguardavam, também elas, o momento de descolagem. Os aparelhos em questão preparavam-se para participar num programa de treino da NATO. Os testemunhos locais, por seu turno, descreveram aos media um incêndio de grandes proporções que sucedeu à explosão gerada pelo embate do avião F-16.

Publicidade

A base aérea de Albacete serve, actualmente, de sede para o Tactical Leadership Program, um programa de treino destinado a pilotos da NATO de diversas nacionalidades. Para além da Grécia, participam nesta formação aviadores de países como os Estados Unidos, Alemanha, Itália ou Reino Unido. Entretanto, o El País coloca a tragédia de hoje na lista de acidentes de aviação que, ao longo das últimas décadas, já levaram à morte de pelo menos 93 militares no país.