O raide aéreo ao navio petroleiro com bandeira da Libéria e que era operado por tripulação grega provocou duas mortes, um cidadão grego e outro de nacionalidade romena, e dois feridos. Segundo a empresa responsável pela embarcação, não houve derramamento de petróleo. Fontes oficias líbias reagiram dizendo que o navio teve ordens para não aportar e dizem que a embarcação transportava militantes islamitas para Derna. Esta situação deveu-se ao aumento dos combates entre as forças rebeldes e as que apoiam o regime do país.

Ahmed Bu Zayad, porta-voz do governo líbio, confirmou o ataque e justificou-o, dizendo que porto de Derna está encerrado e que todas as embarcações foram alertadas para esse facto.

Publicidade
Publicidade

De acordo com o mesmo responsável, a tripulação do navio não alertou os oficias líbios do seu destino.

Do outro lado, o ministro dos negócios estrangeiros grego condenou o ataque, afirmando que o governo helénico vai tomar as medidas necessárias para encontrar os responsáveis por um acto "cobarde" e pretende que as famílias dos dois tripulantes que faleceram sejam indemnizadas. Tanto os enviados das Nações Unidas para a Líbia como a União Europeia foram informados acerca do acidente. Os responsáveis da Aegean Shipping Enterprises Co, empresa que opera o navio, afirmaram que o transporte da mercadoria serviria para abastecer as cidades de Derna, Khoms, Benghazi e Misrata.

Desde o fim do regime, que durou quatro décadas, e que foi encabeçado por Muammar Kadafi, que a Líbia tem estado em constante sobressalto.

Publicidade

As rivalidades entre as mais diversas facções - nacionalistas, islamitas, regionais e tribais - têm provocado medo e insegurança no país, apesar de o governo e de o parlamento, sediados em Tobruk, terem sido reconhecidos pela comunidade internacional. Mesmo assim, a onda de violência tem aumentado, sobretudo porque o movimento Lybia Dawn comanda a capital Tripoli e expulsou todos rivais, tendo controlado vários ministérios. A situação fez com que vários governos internacionais retirassem os seus diplomatas do terreno.