Segundo dados divulgados pela Europol esta terça-feira, cerca de cinco mil cidadãos oriundos de países da União Europeia engrossam as fileiras "jihadistas" em vários países do Estado Islâmico, designadamente na Síria. A relevação foi feita por Rob Wainwright, director da Europol, numa audição no Parlamento britânico, que decorreu no dia de ontem. Wainwright considera que essas pessoas podem constituir uma séria ameaça quando regressarem aos respectivos países de origem. Este número é, consideravelmente, constituído por jovens do sexo masculino.

Na direcção do Serviço Europeu de Polícia (Europol) desde Abril de 2009, Rob Wainwright não deixou de alertar na sua intervenção para o facto de estes jovens terem "potencial ou intenção e capacidade" para levarem a cabo ataques semelhantes como aqueles executados pelos irmãos Kouachi, contra a redacção do jornal satírico Charlie Hebdo, e por Amedy Coulibaly, que manteve várias pessoas como reféns num supermercado judeu em Porte de Vincennes, Paris, um dia depois de ter assassinado uma agente da polícia municipal, no sul de Paris.

Publicidade
Publicidade

Wainwright, de 47 anos, sublinhou ainda que é importante não descurar o papel determinante do uso das redes sociais por parte dos grupos "jihadistas". De acordo com o dirigente da Europol, a Internet tem sido usada de forma claramente mais "agressiva" e "imaginativa" pelos terroristas. Rob Wainwright aponta o caminho a seguir, ao chamar a atenção para a necessidade de estreitamento de laços entre a aplicação da lei e as empresas de tecnologias.

Recorde-se que, em Setembro último, Gilles de Kerchove, coordenador europeu de contraterrorismo, indicou que cerca de três mil indivíduos europeus faziam parte das fileiras "jihadistas" em países como a Síria e o Iraque. Por essa altura, Kerchove revelou que aproximadamente 30% desses cidadãos haviam regressado aos seus respectivos países. Entretanto, e na sequência dos ataques terroristas em Paris, o Daily Mail escreve esta terça-feira que o primeiro-ministro britânico David Cameron irá sofisticar os serviços de inteligência.

Publicidade