De acordo com um estudo publicado ontem, 27 de janeiro, no The Astrophysical Journal, foram descobertos cinco planetas rochosos tidos como 80%, tão antigos como o próprio Universo. Tal sugere que planetas do tamanho da Terra são caraterísticos da Via Láctea desde o seu início. Os planetas orbitam uma estrela com mais de 11 biliões de anos de idade, denominada Kepler-444, cerca de 25% mais pequena do que o Sol e situada a 117 anos-luz da Terra. Todos eles são do tamanho de Vénus ou menores, e rochosos, embora nada mais se saiba sobre a composição dos mesmos.


Os cinco planetas completam uma órbita em menos de dez dias, o que muito provavelmente faz deles demasiado quentes para suportarem vida. No entanto, é um forte indício de que a vida noutros sistemas planetários antigos e mais hospitaleiros é possível. Tiago Campante, da Universidade de Birmingham em Inglaterra, autor principal do estudo, afirma que: "Sabemos agora que planetas do tamanho da Terra se formaram pela maior parte do Universo, nos seus 13,8 biliões de anos de história, o que pode perspetivar a existência de vida na galáxia."


Campante e os seus colegas descobriram os cinco planetas de Kepler-444 após analisarem dados fornecidos pelo telescópio espacial Kepler da NASA. Entre outros dados, o telescópio é capaz de detetar mudanças na claridade provocadas por ondas de som no interior de uma estrela. Essas ondas afetam a temperatura da mesma, logo a sua luminosidade. O estudo destas oscilações naturais, a que os cientistas chamam asterosismologia, ajuda-os a determinarem o tamanho, a massa e a idade de uma estrela.


"Quando a asterosismologia surgiu há cerca de duas décadas, apenas podíamos aplicá-la ao Sol e a algumas estrelas de brilho intenso, mas graças ao Kepler, podemos agora aplicar a técnica a literalmente milhares de estrelas", afirmou o co-autor do estudo Daniel Huber, da Universidade de Sydney, na Austrália.


A missão Kepler, orçada em cerca de 533 milhões de euros e lançada em Março de 2009, pretende ajudar os cientistas a determinarem a ocorrência de planetas semelhantes à Terra, por toda a Via Láctea. Até agora, descobriu mais de 1000 exoplanetas, com mais de 3000 a aguardarem confirmação através de análises e observações mais detalhadas. O Kepler continua em missão de busca por exoplanetas e inclui ainda observações de outros objetos e fenómenos cósmicos.