Frank Van Den Bleeken está detido há quase 30 anos, depois de ter sido condenado devido a crimes de abuso sexual e homicídio. A história de Bleeken foi seguida de perto pela comunicação social e até foi alvo de um documentário em 2001. O réu contou a sua infância passada em várias instituições, os casos em que sofreu abusos sexuais e ainda o facto de se ter prostituído. Na altura, o homicida admitiu que não lhe poderia ser dada liberdade já que "seria um risco para os outros".

Agora, e após o pedido ter sido feito em Setembro e de na semana passada o ministro da justiça Koen Geens ter comunicado à imprensa belga a decisão de avançar com o mesmo, os médicos resolveram rejeitar a deliberação da justiça belga.

Publicidade
Publicidade

Segundo um comunicado do Ministério da Justiça, o sigilo médico não permite saber quais foram as razões que levaram ao encerramento do processo.

Há 12 anos que a eutanásia é permitida por lei na Bélgica e não apenas para casos de doenças terminais. Também pessoas psicologicamente muito vulneráveis e que tenham um historial de dor emocional podem requerer a morte assistida. Em Fevereiro de 2014 o país tornou-se o primeiro a aceitar ocorrências que envolvam crianças com doenças terminais, como foi o caso da morte assistida de dois gémeos surdos e que estavam em processo de perder a visão.

O caso de Van Den Bleeken também suscitou muita contestação, com o prisioneiro a dizer que o acompanhamento a que foi sujeito não foi suficiente e que nada mudou desde então. O belga de 51 anos nunca desejou ser libertado, afirmando que jamais ultrapassaria os impulsos sexuais, desejando por isso morrer.

Publicidade

Com o pedido de morte assistida negado, Bleeken vai ser transferido para um novo centro psiquiátrico em Gent e existe ainda a possibilidade de ser transferido para a vizinha Holanda, onde existe um centro que trata apenas casos semelhantes ao do belga, refere ainda o comunicado do ministério da justiça. Contudo, e segundo a porta-voz do ministério, Sieghild Lacoere, o pedido de morte assistida pode ser solicitado novamente.