Hoje, dia 27 de Janeiro de 2015, assinalam-se os setenta anos desde a libertação dos prisioneiros dos campos de concentração de Auschwitz-Birkenau, localizados na Polónia. Esta conquista foi uma das grandes derrotas do nazismo e ajudou a precipitar o final da Segunda Guerra Mundial, que iria terminar meses depois deste feito. A pior guerra da história da humanidade durou seis anos e causou mais de 50 milhões de mortes, sendo a mais letal de todos os tempos. O parlamento alemão, para além de um evento de Berlim, vai realizar uma cerimónia especial para celebrar o aniversário.

Hoje, a Alemanha é um dos países mais democráticos e socialmente mais desenvolvidos do mundo, mas os alemães não se esquecem do seu passado e sentem o dever de relembrar episódios da sua #História que marcaram o mundo pelas piores razões.

Publicidade
Publicidade

A chanceler alemã, Angela Merkel, afirmou que: "o Holocausto enche- nos de vergonha, pois fomos nós os culpados por tanta dor". Em Berlim, Merkel esteve acompanhada por altos dirigentes de toda a Europa e representantes de países que estiveram directamente na guerra. " Não podemos fechar os olhos e esquecermo-nos que milhões de mortes são culpa nossa. Temos o dever de ressalvar todas as atrocidades cometidas e mantê-las vivas na memória", afirmou Merkel.

Durante o período da Segunda Guerra Mundial, na Alemanha, todos os judeus eram condenados e assassinados, sem perdão. Estima-se que, nos campos de concentração de Auschwitz-Birkenau, tenha sido aniquilado mais de um milhão de pessoas, sendo a maior parte judeus. Estes números tornam este campo de extermínio o mais letal e sangrento, sendo também o único que se mantêm intacto, tal e qual como quando foi abandonado pelos nazis.

Publicidade

Factos estes que ajudam a justificar o porquê da enorme importância que foi a libertação de todos os prisioneiros destes campos, há precisamente 70 anos. No ano passado, o local recebeu mais de 1,5 milhões de pessoas.

Actualmente, a Alemanha é extremamente rígida com acções de ódio, xenofobia e racismo. De facto, e apesar das grandes guerras, que ainda estão frescas na memória, o país tornou-se um exemplo a seguir em todos os aspectos da sociedade. Reergueu-se das cinzas e é um dos países mais desenvolvidos e multiculturais em todo o mundo.