Para além dos danos materiais e humanos, já morreram centenas de #Animais na vaga de incêndios florestais que tem afectado o sul da Austrália desde sexta-feira. Muitos foram queimados, desidratados ou desorientados pelo fogo. Entretanto, veterinários e equipas de resgate de animais passaram a ter acesso às áreas devastadas para poderem auxiliar animais de estimação e de quinta, mas também as espécies selvagens. Já a chuva que se começou a fazer sentir, desde quarta-feira, em Adelaide Hills traz algum alívio aos bombeiros, embora a possibilidade de relâmpagos e ventos fortes possa representar mais riscos.

Entre cangurus, coalas, pássaros e raposas, são centenas as espécies que têm sido encontradas na Austrália.

Publicidade
Publicidade

As equipas de resgate já distribuíram antibióticos e analgésicos numa tentativa de mantê-los confortáveis, mas alguns animais que não podem ser tratados ou que estão em grande sofrimento têm sido eutanasiados. Outros enfrentam meses de reabilitação dolorosa. E, em algumas das áreas mais atingidas, os socorristas usaram tendas de vaporização, na tentativa de ajudar os animais cujos pulmões foram queimados.

Em declarações à BBC, Tim Vasudeva, executivo chefe da Sociedade Real para a Prevenção da Crueldade Contra os Animais (RSPCA), declarou que a extensão da perda da vida animal é desconhecida até ao momento. Contudo, sabe-se que além das mortes por incêndio, outras tantas ficaram a dever-se à falta de fontes alimentares que foram queimadas ou à falta de acesso a abrigos. Elementos da RPSCA e uma equipa de veterinários encontram-se, neste momento, no terreno para ajudar a tratar e a alimentar animais domésticos, como cães, gatos ou cavalos.

Publicidade

Segundo Vasudeva, muitos destes animais não exigem muitos cuidados porque são saudáveis, bastando apenas hidratá-los.

Entretanto, a Australian Wildlife Research & Rescue (AMWRRO), uma organização marítima de defesa dos animais, tem tratado as patas queimadas de um jovem coala macho nas suas instalações. Segundo Aaron Machado, presidente da AMWRRO, o animal teria provavelmente morrido se não tivesse sido resgatado. Apelidado de Jeremy pela equipa, o coala tinha uma infecção que quase causou a sua morte, pois esta espécie não possui sistema imunológico e o risco de morrer de infecção é muito elevado. Todavia, a equipa está confiante que Jeremy recuperará num par de meses e poderá ser lançado de volta ao seu habitat natural.

Num dos piores casos descobertos até ao momento, os bombeiros conseguiram salvar mais de 40 cães num canil comercial em Inglewood. Contudo, ainda assim um grande número de animais acabou por morrer, incluindo todos os gatos. Os proprietários do canil inicialmente usaram as redes sociais para compartilhar a notícia do que tinha acontecido; no entanto, as mensagens de ódio obrigaram-nos a cancelar o site.

Publicidade

Já relativamente a animais de quinta, ainda não se sabe ao certo o número de espécies que perderam a vida. Contudo, têm sido enviadas equipas de assistência e sabe-se que existe a hipótese de eutanasiar animais que estejam demasiado queimados para conseguirem recuperar. #Natureza