Mais de 40 líderes mundiais estiveram presentes em Paris no passado dia 11 em homenagem às 12 pessoas que perderam a vida no ataque ao jornal satírico francês Charlie Hebdo. Contudo, de acordo com a fotografia publicada pelo jornal ultraortodoxo HaMyaser, Angela Merkel, a mulher mais poderosa da Europa, e Federica Mogherini, não estiveram lá.

No dia seguinte à marcha contra o terrorismo, o jornal judeu HaMyaser publicou uma imagem modificada dos líderes mundiais, onde a chanceler alemã Angela Merkel e a chefe da diplomacia externa da União Europeia, Federica Mogherini, não apareciam. Enquanto Angela Merkel foi removida da imagem através de softwares de edição de imagem, Federica Mogherini foi simplesmente cortada da fotografia.

Publicidade
Publicidade

A censura das líderes pelo jornal judeu HaMyaser não se limitou à fotografia, já que ao longo da notícia não havia uma única referência à presença de Merkel e de Mogherini na marcha contra o terrorismo que ocorreu em Paris.

A modificação desta imagem deve-se à linha editorial deste jornal, que proíbe a publicação de imagens de mulheres por uma questão religiosa. De acordo com as regras do Haredi, uma vertente ultraortodoxo do judaísmo que este jornal tem como base, o corpo das mulheres não deve ser mostrado.

Para além da ausência das líderes do sexo feminino na fotografia publicada pelo jornal HaMyaser, o primeiro-ministro dinamarquês, Helle Thorning-Schmidt, também foi removido da imagem, enquanto o presidente da Autoridade Palestiniana, Mahmoud Abbas, aparece ao lado do presidente francês François Hollande e a uma pessoa de distância de Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel.

Publicidade

Um enquadramento que deu a Mahmoud Abbas uma posição mais central na fotografia.

O portal de notícias israelita Walla! foi o primeiro a noticiar esta situação. Contudo, as publicações que têm como base religiosa o Haredi têm sido frequentemente criticadas por manipularem as suas imagens através da remoção da presença de mulheres - uma situação de que Hilary Clinton também já foi alvo - e do favorecimento dos líderes israelitas.