A máscara dourada de Tutankhamon é muito mais do que um tesouro do Antigo Egito, sendo um dos objetos icónicos símbolos da civilização faraónica. Esta máscara foi encontrada em 1922, durante escavações ao túmulo do Faraó, em Vale dos Reis (Luxor), pelo arqueólogo inglês Howard Carter. Ao que tudo indica a máscara ficou danificada depois de uma limpeza no Museu do Cairo. A zona danificada foi a barba, que ficou separada do resto da face. A forma que a equipa de limpeza encontrou para "restaurar" a peça foi unir as duas partes com "supercola". Colar uma peça partida seria normal, se não se tratasse de um símbolo de extrema importância, uma obra de arte egípcia datada de 1354-1340 a.C., que é considerada a peça mais famosa de toda a arte egípcia e uma parte do espólio do túmulo do faraó Tutankhamon,

Esta "restauração" feita por amadores foi denunciada pelos conservadores do Museu de Antiguidades egípcias do Cairo.

Publicidade
Publicidade

Segundo eles esta situação acabou por danificar muito a figura. O jornal árabe "Al Arabi al Jadid" publicou que o objeto estava já danificado desde o ano passado, quando aconteceram os referidos trabalhos de limpeza do complexo.

Segundo consta, depois do acontecido a equipa que teve a cargo a limpeza e renovação do museu não informou o Ministério das Antiguidades para que estes pudessem entregar a máscara de Tutankhamon a uma equipa de restauração e a mesma fosse devidamente recuperada. Segundo o referido jornal, em vez disso, a responsável pela renovação do museu em conjunto com o seu marido (também ele funcionário no museu) decidiram solucionar o acontecido, unindo as peças com uma vulgar "supercola", que se trata de um substância imprópria para conservar uma peça que tem mais de três mil anos.

Publicidade

Para agravar ainda mais a situação e os danos na peça, houve uma raspagem para retirar a cola em excesso e a figura ficou riscada e ainda mais danificada.

Em suma, o "chico espertismo" destes egípcios deu muito maus resultados, mas serve também para se perceber que afinal não somos só nós, os portugueses, a usar destas "estratégias"!