Com menos de 1,5 m de comprimento, Phocoena sinus, é o cetáceo mais pequeno, raro e ameaçado do mundo. Existe exclusivamente no Golfo da Califórnia, mais propriamente na região norte, também conhecida como Mar de Cortez. Esta massa de água separa a Península da Baixa Califórnia da área continental do restante território mexicano. É uma espécie sem parentes próximos. fazendo parte da lista de conservação prioritária dos 100 mamíferos mais ameaçados e distintos evolutivamente. Em 2008, a vaquita, como é conhecido, foi considerada como uma espécie "criticamente em perigo", sendo que em 1997, foram apenas contabilizados 567 indivíduos. O seu declínio populacional ter-se-à iniciado em meados do século passado.

Publicidade
Publicidade

Em 2014, o número de animais estimados pelo CIRVA (Comité Internacional para la Recuperación de la Vaquita), demonstrou ser menor, sobrevivendo apenas 97 vaquitas no seu habitat natural. Este facto representa então, o "risco iminente de extinção". Uma das principais ameaças a estes animais é a pesca com redes de emalhar, às quais os pequenos cetáceos ficam presos. Estas redes são utilizadas para a captura de camarões e peixes, como a corvinata-totuava. Este peixe encontra-se também em vias de extinção, mas nalguns países (como a China), a sua bexiga natatória é considerada uma iguaria.

Neste sentido, o CIRVA proibiu a utilização destas redes no local onde habita esta espécie: reserva da biosfera do Golfo do México e Delta do Rio Colorado e foram incentivadas outras técnicas de pesca menos prejudiciais.

Publicidade

No entanto, os cientistas referem que a zona de proibição deverá ser alargada. Para além desta medida, seria essencial proibir a pesca ilegal de outras espécies que usam este tipo de rede. O governo mexicano, propõe-se agora a ampliar a zona de proibição deste tipo de pesca durante 2 anos, compensando monetariamente os pescadores que cumpram as regras. O plano de conservação, no valor de 37 milhões de dólares norte-americanos está agora sujeito a aprovação pela população e poderá ser implementado nos próximos meses. #Natureza #Ambiente