Nesta sexta-feira, os irmãos Kouachi barricaram-se numa gráfica a cerca de trinta quilómetros de Paris, fazendo um refém, que acabou por sair sem qualquer ferimento. Instantes antes de a polícia ter invadido o edifício onde se encontravam os autores do ataque terrorista, podiam ver-se várias colunas de fumo e quatro "snipers" localizadas no topo da empresa. O assalto ao edifício, levado a cabo pelos muitos polícias que circundavam a área ocorreu às 17 horas locais. A polícia já tinha tentado negociar com os irmãos Kouachi no sentido de libertarem o seu refém, contudo tal não foi possível, pois receberam a informação de que estes preferiam "morrer como mártires" a entregar-se à polícia, tornando este incidente muito mais perigoso.

Publicidade
Publicidade

Hoje, o Ministério do Interior anunciou que o homicídio da polícia municipal ocorrido na quinta-feira está relacionado com o ataque ao semanário Charlie Hebdo.

Recorde-se que os terroristas fugiram da polícia num Peugeot 206 que fora roubado esta manhã em Montagny-Sainte-Felicité, pertencente ao departamento de Oise. Eram cerca das 8:40 quando os irmãos Kouachi começaram a sua fuga, e após uma hora barricaram-se na gráfica. A população residente na pequena vila de Dammartin-en- Goële recebeu instruções para permanecer em casa e as crianças foram mantidas na escola, como medida de proteção.

O Jornal Le Monde, a propósito do ataque a uma mercearia de Paris, anunciou que o responsável também foi morto pela polícia, após uma intensa troca de tiros. Infelizmente este ataque provocou um morto, tendo os restantes reféns sido libertados.

Publicidade

Estes sequestros terminaram, mas restam dúvidas sobre se responsável pelo ataque à mercearia era Coulibaly (suspeito da morte do agente da polícia) e sobre se todos os sequestrados estão em liberdade.

Após três dias, cerca de 88 mil agentes conseguiram combater esta vaga de ataques, que começou com o atentado ao seminário Charlie Hebdo, e que levou a mais dois ataques. Hollande disse que "a França está em choque" e garantiu que "estava em curso uma grande operação".