A posição da Igreja Católica face à homossexualidade costuma ser bastante polémica. Contudo, em Dublin, na Irlanda, um dos países mais católicos da Europa, algo inesperado aconteceu. Um padre católico revelou durante a sua missa que era gay e que apoiava o casamento homossexual. Os membros da sua igreja reagiram com uma ovação de pé.

Martin Dolan é um padre que há 15 anos serve a Igreja de St. Nicholas of Myra, no centro da cidade de Dublin. No passado Sábado, numa das suas muitas missas, fez o coming out para a sua congregação e as reacções foram surpreendentes. No dia seguinte, na sua missa dominical, o padre voltou a revelar a sua orientação sexual.

Publicidade
Publicidade

Actualmente, o padre encontra-se de férias e em breve voltará à sua paróquia. Para as pessoas não julgarem que o padre desapareceu, fonte da igreja veio a público referir que as férias já estavam planeadas antes da revelação.

Em declarações ao Irish Sun, Liz O'Connor, que trabalha com jovens da comunidade, referiu que todos estão muito orgulhosos de Dolan e querem que ele continue a ser o padre da paróquia. Acrescentou ainda que o facto de ter admitido que era homossexual "não muda a pessoa que era antes". Uma fonte da igreja católica afirmou que o pároco foi "muito corajoso" ao revelar a sua orientação sexual.

Esta revelação surge alguns meses antes do referendo sobre o casamento homossexual, que se irá realizar na Irlanda durante o mês de Maio. Uma pesquisa realizada recentemente demonstrou que cerca de 70% da população irlandesa é a favor do casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Publicidade

Enda Kenny, primeiro-ministro do país, referiu que apoia a nova legislação. Contudo, para o político, o mais importante é fazer com que a Irlanda saia da recessão.

Todavia, a Igreja Católica ainda é ferozmente contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo e prometeu opor-se a qualquer mudança na lei. No mês passado o bispo Liam MacDaid afirmou que o referendo seria uma "grave injustiça" e que poria em causa "a continuação da espécie humana". O clérigo acredita que levar um assunto desta índole a referendo é bastante negativo para a sociedade. Recorde-se que em 2009 uma série de investigações sobre abuso sexual abalaram a autoridade da igreja católica na Irlanda. #Religião