Os supermercados de todas as zonas da Rússia estão a ser alvo de investigações, ordenadas pelo Procurador-Geral, devido ao drástico aumento de preços. Na região de Samara, os promotores descobriram que, só entre Agosto e Dezembro de 2014, o preço do repolho, pepino e pimentão aumentou na ordem dos 353%, 544% e 654%, respectivamente. Mas a tendência continua durante este mês de Janeiro, com o valor dos tomates, cenouras e uvas a aumentar mais de 50% nas primeiras semanas do ano.

Os preços começaram a subir em toda a Rússia assim que o presidente Vladimir Putin impôs a proibição da maior parte das importações de alimentos provenientes da União Europeia, Estados Unidos, Austrália, Canadá e Noruega.

Publicidade
Publicidade

A proibição, decretada em Agosto, surgiu em resposta às sanções que o ocidente impôs ao país, em retaliação pelo papel que este teve na crise da Ucrânia. A medida trouxe, todavia, efeitos nefastos para o comércio russo. Estima-se que em grandes cidades, como Moscovo, mais de metade dos alimentos sejam importados de outros países.

Apesar de ser um momento de crise no país, alguns retalhistas aproveitaram os problemas económicos para obter mais lucro. Em resposta a alguns relatos de especulação que se faziam sentir, o procurador-geral, Yury Chaika, ordenou em Janeiro que fossem feitas verificações das etiquetas dos preços para os bens de consumo essencial em todas as regiões da Rússia. Além disso, os documentos das redes de retalho também foram investigados. Contudo, embora a grande maioria dos retalhistas tenha aumentado os preços dos produtos, os fornecedores mantiveram-nos iguais.

Publicidade

Esta situação levou a que o procurador de Samara apresentasse uma queixa contra a delegação regional do serviço anti-monopólio da União. Já em Bryansk e noutras regiões, as lojas foram forçadas a baixar os seus preços, após terem sido verificadas por procuradores. De momento, as autoridades policiais em Tatarstan e Udmurtia estão a investigar pelo menos duas redes de retalho, depois de terem aumentado significativamente o preço dos ovos, do açúcar, do repolho e de outros produtos essenciais.