A Grécia vai a votos no próximo domingo, dia 25 de Janeiro. O SYRIZA, pede uma votação popular inequívoca, para poder executar o seu programa, para negociar a dívida e para dar outro rumo à Grécia. Segundo Tsipiras, líder do SYRIZA, " é o povo grego que vai abolir o memorando da troika com o seu voto". Isto porque acredita que o povo grego lhe dará a maioria absoluta no domingo.

O que pretende o SYRIZA

O SYRIZA pretende realizar uma ruptura com toda a política do passado recente, com tudo aquilo que representa e causou a crise humanitária em que a Grécia se vê mergulhada. Pretende ao invés, um compromisso que leve à reconstrução da Grécia, que liberte o país da política de austeridade.

Publicidade
Publicidade

O programa de Salónica

Segundo o programa de salónica, o novo governo do SYRIZA, que sairá das próximas #Eleições, irá realizar as negociações decisivas com todos os parceiros e proceder à reconstrução económica com critérios sociais, tornando-se o governo de todos os gregos. A abolição do memorando será uma decisão do povo grego com o seu voto. A renegociação da dívida e a reivindicação de um acordo europeu para o desenvolvimento, será uma prioridade do novo governo.

Algumas das propostas que constam no programa do SYRIZA, prendem-se com a reposição do salário mínimo nos 751 euros, do décimo terceiro mês para os reformados, combater o desemprego e reformar o Estado e a função pública.

Mudança na Grécia, mudança na Europa

As expectativas são muitas e tanto na Grécia, como na Europa, o SYRIZA sofre pressões de todos os lados.

Publicidade

Existe uma tentativa de ingerência, por parte de responsáveis da União Europeia, nos destinos da Grécia, para a todo o custo se inverter as intenções de voto dos Gregos.

Pela primeira vez na história recente estamos perto de eleger um partido que irá governar de acordo com a vontade popular, pondo em causa interesses económicos obscuros. Também em Espanha, um partido que põe em causa a austeridade e as políticas liberais, o PODEMOS, está em profundo crescimento... Por toda a Europa, a crise, o liberalismo e o capitalismo selvagem estão a ser postos em causa.