De acordo com um estudo publicado esta semana no Astrophysical Journal, existe um planeta cujos anéis metem os de Saturno "num bolso". O planeta, batizado com a designação J1407b, fora descoberto em 2012, mas apenas recentemente foi alvo de uma análise mais pormenorizada. Segundo o co-autor do estudo Eric Mamjek, professor de física e astronomia na Universidade de Rochester, Inglaterra, este "planeta é muito maior do que Júpiter ou Saturno e o seu sistema de anéis é cerca de 200 vezes maior do que o atual em Saturno". Os gigantescos anéis são maiores e mais pesados, sendo que os cientistas detetaram intervalos no enorme disco cósmico, o que sugere a existência de satélites naturais em órbita de J1407b.

Publicidade
Publicidade

O próprio planeta orbita uma jovem estrela (J1407), a cerca de 430 anos-luz do nosso sistema solar.

Pelas estimativas dos cientistas, J1407b possui uma massa 40 vezes superior à de Júpiter e a massa do seu sistema de anéis equivale à do nosso planeta Terra. Os investigadores não conseguiram propriamente visualizar este sistema de anéis, mas foi possível detetá-lo recorrendo aos mesmos métodos que os astrónomos utilizam para localizar novos mundos alienígenas, ou seja, pela deteção de variações na luz de estrelas, à medida que os planetas as orbitam e as eclipsam.

O autor principal do estudo, o astrónomo Matthew Kenworthy, do Observatório Leiden na Holanda, acrescenta que os pormenores do sistema de anéis, identificados através destes métodos, são impressionantes.

Publicidade

Embora a estrela esteja demasiado longe para que os anéis sejam observados diretamente, os investigadores conseguiram elaborar um modelo que não oferece dúvidas.

Não é fácil para a ciência descobrir planetas e comprovar a existência de anéis. Apesar de os nossos sofisticados telescópios recolherem dados constantemente e os algoritmos analisados serem uma grande ajuda, retirar conclusões é uma tarefa interminável. Para já e num futuro próximo, a monitorização de eclipses em estrelas distantes continua a ser o método mais prático para observar a formação de satélites.