O Banco Santander apresentou recentemente os seus resultados referentes ao ano de 2014, com lucros significativos. Os resultados apresentados refletem lucros na ordem dos 5,816 mil milhões de euros, ou seja um aumento de 39% face aos 4,175 mil milhões de euros de 2013. O Santander referiu em comunicado enviado à Comissão Nacional do Mercado de Valores (CNMV), o regulador espanhol do mercado acionista, que o aumento dos lucros se deve principalmente à redução de custos de sensivelmente 1% e o aumento das receitas básicas na ordem dos 3%. Enquanto os maiores #Bancos portugueses apresentam prejuízos, o Santander apresenta-se numa situação bem oposta e apresenta-se cada vez mais como principal favorito à compra do Novo Banco em Portugal.

Publicidade
Publicidade

No ano de 2013 o Santander teve de aplicar novos critérios contabilísticos com base nas contribuições para o Fundo de Garantia dos Depósitos, imposto pelo Banco de Espanha. Esta nova realidade reduziu um pouco os lucros que o Banco espera ter no final do ano, passando de 4,370 mil milhões para os 4,175 mil milhões de euros. Agora em 2014 o Banco volta a demonstrar solidez e apresenta um crescimento de negócio, tanto na atribuição de créditos que subiu cerca de 5%, como no aumento dos valores de depósitos e fundos de investimento que teve um crescimento de 6% face ao ano transato.

No comunicado apresentado, foi também referido que, pela primeira vez desde que se iniciou a crise, o Banco conseguiu crescer nos dez principais mercados financeiros em que opera, nos quais a Europa representa 52%.

Publicidade

No entanto e para conseguir melhorar ainda mais os seus níveis de solvência, o Santander realizou um aumento de capital de 7,5 mil milhões de euros e reafirmou a intenção de adquirir o Novo Banco em Portugal. Sendo este um objetivo claro para o ano de 2015, a presidente do conselho de administração do Santander, Ana Botín definiu como prioridade o crescimento orgânico da instituição junto dos clientes que já possuem nos diversos mercados.

O Banco Santander é um dos 17 interessados na compra do Novo Banco e em Espanha é constantemente anunciado como sendo o principal candidato, face à sua solidez financeira.