No norte de França, há uma pequena cidade perto de Dunquerque chamada Tracy-sur-Mer, onde dezenas de túmulos terão sido vandalizados e os crucifixos partidos. Noutras cidades onde ocorreram situações semelhantes foram encontradas suásticas pintadas. Isto aconteceu perto da praia onde se deu o famoso "Dia D", o Desembarque na Normandia, operação militar que terminou com a ocupação Nazi-Alemã da II Guerra Mundial em França e o princípio do fim do Nacional-Socialismo de Hitler. Investigações oficiais permitem às autoridades francesas concluir que a motivação por detrás destes actos é ideológica.

"Há uma clara motivação anti-semita", disse o Ministério do Interior francês. De referir que estas descobertas deram-se em simultâneo com as acusações a cinco adolescentes de profanarem mais de uma centena de túmulos num cemitério judaico em Sarre-Union no leste da França, perto de Estrasburgo e da fronteira com a Alemanha. Os adolescentes confirmaram os seus actos e o procurador da república francesa Philippe Vannier confirmou haver "motivação anti-semita". O procurador referiu também que foram as próprias declarações dos adolescentes que o levaram a concluir que foi o anti-semitismo que motivou a profanação dos cemitérios. Segundo ainda o procurador, o grupo usava facilmente saudações nazis, embora um dos acusados declarasse não ter tido conhecimento que o cemitério fosse de judeus.

O sucedido, bastante propagado pela França e pela Europa, levou a que o Presidente Francês prestasse declarações públicas e prometesse que o estado Francês protegeria os judeus franceses "com toda a força", disse François Hollande durante uma cerimónia pública precisamente no cemitério vandalizado, o cemitério judaico de Sarres-Union, na região da Alsácia oriental. "Aqueles que estão a perguntar se podem viver em paz no seu próprio país, e perguntam se serão protegidos diante dos que lhes querem mal, eu digo, a República irá protegê-los com toda a força".


Os adolescentes não foram detidos e aguardam em liberdade condicional para julgamento.