A população da China é superior a 1360 milhões. Os dados, referentes ao final de 2014, foram divulgados pelo organismo público do governo responsável por estatísticas (equivalente ao INE português). A população chinesa aumentou, assim, apenas 0,52% em relação a 2013. Estes números não incluem Macau e Hong Kong, onde vivem, respectivamente, 625.000 e 7,2 milhões de pessoas.

O governo chinês divulgou também uma previsão de subida no número de nascimentos, esperando mais um milhão este ano que em relação a 2014. A subida prende-se com o abrandamento da regra do "filho único". Durante vários anos, as autoridades chinesas obrigaram os casais a ter um único filho, como forma de controlar o aumento da população. Actualmente, e estando o aumento populacional chinês parcialmente controlado, a pirâmide etária apresenta-se fortemente envelhecida, e daí o alívio nas regras relativas ao filho único. 

Outro grande desafio que se coloca às autoridades chinesas é a urbanização. Ainda segundo o relatório divulgado esta semana pelo governo chinês, cerca de 54% da população reside em zonas urbanas. A sustentabilidade económica e ambiental das grandes metrópoles chinesas é um problema premente para os próximos anos. Estima-se que cerca de 253 milhões de pessoas (18,6% do total) não residam na morada onde estão registados, o que é sinal do forte êxodo rural que levou os chineses dos campos para as cidades, em busca de uma vida melhor.


O desenvolvimento industrial da China, nos últimos 45 anos, arrancou milhões de pessoas da pobreza e fez nascer uma nova classe média. O brutal desenvolvimento económico está a catapultar a China para a posição de primeira potência mundial. Contudo, novos problemas e desafios (cidades superlotadas, poluição extrema, etc.) colocam-se à China no futuro a médio prazo. De qualquer forma, não é previsível que o gigante asiático - que celebrou há pouco a entrada no ano da Cabra, e que foi também protagonista no mais recente mini-escândalo da política portuguesa - deixe de ser o país mais populoso da Terra nos próximos anos. Tendo 136 vezes a população de Portugal, a China representa quase 1 quinto do total da população terrestre.