O Presidente da Turquia está de novo a manifestar uma recorrente intolerância quando o seu carácter é exposto publicamente. Uma popular modelo turca terá alegadamente insultado o presidente Erdogan, noticiou a Associated Press. Aguarda julgamento por isso, o que coloca em causa a Liberdade de Expressão e os Direitos Humanos na Turquia. Merve Buyuksarac copiou um poema com versos retirados do hino nacional turco, de uma revista satírica turca, a Uykusuz, para criticar Erdogan.

A modelo, que foi Miss Turquia em 2006, foi por isso detida no mês passado e em tribunal referiu que "a intenção não era insultar o presidente". Mas a acusação do tribunal lembrou à modelo que incorre agora numa pena máxima de prisão entre 4 a 5 anos, apenas por reproduzir um poema já publicado numa revista. O tribunal turco considerou ainda que um simples post no Tweet "não é considerado liberdade de expressão" e sim considerado por exceder os limites da crítica. O presidente Erdogan considerou o post "abertamente humilhante". A modelo confirmou ainda que apagou o poema depois de um dos seus amigos a ter avisado precisamente de uma possível punição da Turquia por usar linguagem satírica contra o presidente.

O fulcro da controvérsia está na sátira que envolve o presidente Erdogan, que, desde que foi eleito em 2003 para dirigir o país, é popularmente satirizado como o "Buyuk Usta" (grande mestre). A modelo comentou ainda que não era intenção dela fazer uma adaptação. "Eu coloquei o post porque achei engraçado", disse Merve que aguarda decisão do tribunal para proceder a julgamento. Merve ressurgiu no Twitter defendendo-se moralmente e salientou que a única acusação de que é alvo é a de "insultar um funcionário publico". E refere que "se contar as pessoas que quiseram saber qual era o poema que eu citei vá ao Google...vai descobrir que foram mais 960 mil pessoas que insultaram o presidente...".


A Turquia tem sido denunciada recentemente como sendo um país avesso ao normal funcionamento das garantias sociais e humanos. Um dos mais populares foi o caso do adolescente Emin Altunses que irá a tribunal já no início do próximo mês por ter insultado o presidente durante um discurso público. Os casos de atentados à liberdade de expressão a jornalistas e a manifestantes também têm alcançado os títulos da imprensa internacional. A sociedade turca enfrenta uma polarização entre um poder religioso/conservador e uma sociedade cosmopolita e crítica às narrativas tribais. O conflito público e o controlo da expressão individual surge desse choque de interesses que Erdogan tem dificuldade em reconhecer, e revela apenas intolerância (Erdogan chegou a processar um desenhador que o retratou como um gato preso numa bola de lã).

No passado, o presidente da Turquia foi preso pela mesma situação: em 1990, Erdogan esteve preso por recitar um poema que, na altura, incitaria ao ódio religioso. O hoje Presidente da República era na altura o Presidente da Câmara de Istambul e a façanha de recitar um poema islâmico colocou-o na prisão por 4 meses, por estímulo ao ódio religioso. Mas assim que consolidou o seu poder político, o presidente da Turquia não deixou de recitar os mesmos versos, incessantemente.