Os militantes do Estado Islâmico (ISIS) crucificaram crianças, venderam-nas como escravas sexuais em mercados e, em alguns casos, chegaram mesmo a enterrá-las vivas. Estas são apenas algumas das atrocidades mencionadas num novo relatório do Comité dos Direitos da Criança das Nações Unidas. O documento aborda uma série de problemas que atingem as crianças no Iraque, mas traça um quadro particularmente angustiante para aquelas que vivem sob alçada do ISIS. Esse cenário inclui homicídios em massa e uma brutalidade quase inimaginável.

Aqui ficam algumas das mais horríveis alegações incluídas no relatório: o ISIS decapitou e crucificou crianças; crianças foram enterradas vivas; houve "vários casos de execuções em massa de rapazes"; os militantes atribuíram preços a mulheres e crianças e venderam-nas como escravas sexuais em mercados; crianças foram abusadas sexualmente em prisões improvisadas; pais foram forçados a entregar os seus filhos ao ISIS ou seriam obrigados a vê-los morrer.

Publicidade
Publicidade

Muitas das crianças que são raptadas pelo Estado Islâmico ficam severamente traumatizadas por testemunharem a morte dos seus pais e são submetidas a abusos físicos e sexuais. Renate Winter, membro do comité, disse à agência Reuters que alguns dos menores estão a ser usados como soldados; outras, com problemas mentais, são utilizadas como bombistas suicidas.

As minorias têm sido particularmente atingidas. O relatório afirma que uma série de Cristãos, Iazidis, Curdos e outras minorias têm sido "sistematicamente mortos, torturados, violados" e forçados a converterem-se ao Islão. Em alguns casos, o ISIS tentou mesmo "destruir essas comunidades minoritárias". O Estado Islâmico confiscou também casas e propriedades dessas famílias, de acordo com o mesmo documento. O relatório apela ao governo iraquiano que "tome todas as medidas necessárias para resgatar as crianças" raptadas pelo ISIS.

Publicidade

Estas acusações de violência extrema contra crianças surgem no dia seguinte ao ISIS ter publicado imagens que mostram um piloto da Jordânia a ser queimado vivo. O vídeo foi talvez o mais horrífico de todos os que o grupo terrorista difundiu e que são, por norma, bastante violentos. O novo relatório da ONU vem ilustrar ainda melhor até que ponto o ISIS está disposto a chegar para controlar o território e estabelecer um califado.