Aos 41 anos, a ministra dos negócios estrangeiros de Itália, Federica Mogherini, passou a ser o rosto da diplomacia europeia, tendo-lhe sido apontada falta de experiência e grande proximidade com a Rússia, numa altura em que o tema domina a cena internacional. Numa visita relâmpago a Lisboa, Federica Mogherini recusa falar de um falhanço do cessar-fogo na Ucrânia. A diplomata refere que, apesar dos acontecimentos das últimas horas não serem encorajadores, não considerará que os acordos fracassaram enquanto as partes envolvidas se referirem a "algo que tem de ser implementado". E insiste na necessidade de aplicar em pleno o acordo de Minsk.

Rui Machete, Ministro dos Negócios Estrangeiros Português, partilha da opinião de Federica Mogherini e, num comunicado, anunciou a urgência de se encontrar uma solução politicamente duradoura para a Ucrânia mas referiu também que, em todo o caso, Minsk continua a dar ao mundo alguma esperança, ainda que ténue.

Publicidade
Publicidade

Portugal defende que a Ucrânia deverá proceder às suas reformas internas através de um diálogo nacional inclusivo e que estas deverão ser "uma garantia para a estabilidade política, social e económica".

Nas cerca de oito horas que esteve em Lisboa, Frederica reuniu-se com Cavaco Silva, Passos Coelho e com o Ministro da Defesa Aguiar Branco, tendo depois passado pela Assembleia da República. O dia foi também marcado pela preocupação crescente com o avanço do Estado Islâmico na Líbia e a proximidade com a Europa. Sobre este último assunto, a diplomata fez questão de frisar que é uma situação que a preocupa particularmente, e que requer toda a atenção e ação por parte da União Europeia para garantir que o país, finalmente, alcance uma solução estável e para que o risco de instabilidade e #Terrorismo não se alastre pela religião, desde logo para os países vizinhos e para a Europa.

Publicidade

A também vice-presidente da Comissão Europeia recusou falar sobre o impasse nas negociações gregas. O assunto ficou fora dos encontros, mas Federica Mogherini avisa que é preciso fazer um bom uso do tempo disponível.