Os tumultos começaram quando um grupo de manifestantes com uma faixa verde cortou o trânsito numa avenida paulista no centro da cidade. Viveram-se momentos de tensão, com a polícia a cercar o grupo e a desmobilizar os manifestantes. Todavia, a confusão foi rapidamente controlada, pois no local estavam três vezes mais agentes do que manifestantes. O protesto teve como mote "sem água São Paulo vai parar" e contou apenas com cerca de 150 pessoas, embora nas redes sociais, fenómeno de mobilização no Brasil, estivessem confirmadas 7 mil. Certo é que na última sondagem, 60% dos moradores da grande cidade de São Paulo dizem ser a favor do racionamento de água e apenas 9% responsabiliza o Governo pelo problema.

Publicidade
Publicidade

O Brasil atravessa a pior seca dos últimos 84 anos. De norte a sul do país, cerca de 90 cidades já impõem algum tipo de restrições ou multas ao abastecimento. Em São Paulo a água chega a estar cortada entre seis a dezoito horas por dia. Caso a situação de seca se agrave, pode vir a ser implementado um sistema de "rodízio" ( como dizem os brasileiros), ou seja, um regime de racionamento semanal em que durante cinco dias não há água nas torneiras e nos dois dias seguintes é retomado o abastecimento.

O Governo do Estado tem, no entanto, aguentado a crise sem implementar a polémica medida e agora talvez a consiga evitar, visto que este mês os níveis de pluviosidade estão a superar as expectativas e, embora não sejam suficientes para excluir de vez o racionamento, já levaram a que o Governo adiasse a decisão.

Publicidade

Ainda assim, há já quem se esteja a preparar para o pior dos cenários.

A população faz todos os possíveis para encontrar formas de poupar água, e neste sentido, há já quem utilize sistemas de aproveitamento da água da chuva, que serve, essencialmente, para a rega ou para matar a sede dos animais. Apesar de não estarem incluídos na medida de racionamento de água, os hospitais têm indicações para começar a instalar sistemas de tratamento e centros de reciclagem para que, numa eventual falha, possam garantir o funcionamento das urgências ou a realização de cirurgias. #Ambiente