A Venezuela enfrenta uma grave crise económica que, entre outros factores, envolve a falta de abastecimento, uma alta inflação e o descontentamento da população contra o governo de Nicolás Maduro. Desde Fevereiro do ano passado que o país vive em confrontos violentos entre manifestantes e forças do governo, que provocaram já a morte a 39 pessoas. Em causa está o colapso nos preços do petróleo que fez aprofundar a crise económica e provocou uma escassez de produtos.

As exportações de petróleo representam, na Venezuela, cerca de 95% dos ganhos com moeda estrangeira e, uma vez que as exportações caíram quase 60% nos últimos meses, os importadores têm menos dólares para trazerem produtos do exterior, sendo que este país importa a maior parte dos produtos que consome.

Publicidade
Publicidade

Até agora os venezuelanos faziam fila nos supermercados para conseguirem comprar, por exemplo, leite, papel higiénico, açúcar, óleo de cozinha e farinha de milho e outros bens de primeira necessidade, o que levou a um aumento do número de roubos. Para além destes bens essenciais, a Venezuela defronta-se agora com a falta de preservativos, ou com o elevado preço dos mesmos. De acordo com informações do site de notícias norte-americano Bloomberg Business, uma caixa de 36 preservativos pode chegar aos 4.760 bolívares (cerca de 660 euros), o que representa quase o valor do salário mínimo venezuelano, que se situa hoje nos 5.600 bolívares.

Esta escassez constitui um problema, na medida em que a Venezuela é o terceiro país da América Latina com mais casos de infecção por HIV, ficando apenas atrás de países como o Paraguai ou o Brasil, e apresenta também uma das mais altas taxas de gravidez na adolescência.

Publicidade

Entre os dados mais alarmantes, prevê-se que a falta de contraceptivos conduza a um aumento do número de mortes entre as mulheres que recorrem à prática de abortos clandestinos, uma vez que este é um acto ilegal no país, e que também aumente o número de adolescentes e jovens que poderão vir a abandonar a escola para poderem ficar a cuidar dos seus filhos.