No dia 24 de Fevereiro de 2015, num restaurante na cidade de Uherský Bord, Morávia, na República Checa, morreram pelo menos oito pessoas e algumas ficaram feridas, após um homem armado abrir fogo. O restaurante situa-se no leste da República Checa, junto à fronteira da Eslováquia. No estabelecimento encontravam-se pelo menos umas 20 pessoas, e a polícia checa refere que, entre os feridos, uma mulher foi hospitalizada em estado crítico. Sabe-se que o autor dos disparos telefonou a uma estação de televisão antes do ataque.

As entidades policiais foram alertadas à 01h00 desta terça-feira (hora da República Checa), sendo que o homem armado só foi abatido por volta das 15h00 (hora da República Checa), mantendo até essa hora várias pessoas como reféns. O chefe da polícia, Pavel Stransky Benedikt, adiantou que o homem "já foi neutralizado", sem ainda ter confirmado o número total de vítimas.

A agência da República Checa (CTK), citando pessoas que testemunharam, afirmou que foram disparados cerca de 25 tiros no restaurante Droujba ("amizade", em checo) no centro da localidade de Uhersky Brod, confirmando também o Ministro do Interior Checo, Milan Chovanec, que o sequestro durou cerca de 14 horas, provocando nove mortes. O homem armado, com cerca de 60 anos, tinha problemas mentais e pensa-se que tenha cometido suicídio. O homem era psicologicamente instável.



As autoridades da República Checa não confirmaram qualquer indício de ataque terrorista. Uherský Brod tem cerca de 20 mil habitantes e fica a cerca de 300 quilómetro da capital, Praga. Existem vários registos de tiroteios na República Checa, mas este tiroteio foi o mais mortífero e trágico da história do país, referiu o primeiro-ministro Bohuslav Sobotka que ficou pasmado pela tragédia. Resta saber agora se as vítimas feridas irão recuperar bem desta tragédia, aguardando-se ainda notícias sobre a mulher hospitalizada que está em estado crítico. As autoridades checas continuam ainda a vigilância no local onde o crime ocorreu.