A Rússia pode vir a ser alvo de mais sanções, visto que os Estados Unidos estão a discutir com os aliados a possibilidade de avançar com penalizações adicionais a Moscovo devido à situação na Ucrânia e acusam a Rússia de ter um comportamento cobarde. Apesar do cessar-fogo acordado em Minsk, continuam os combates na região e cerca de cento e setenta e nove soldados do exército ucraniano foram mortos na batalha em Debaltseve. O número foi divulgado por um conselheiro do Presidente da Ucrânia, que revelou que cento e dez soldados foram feitos prisioneiros por separatistas pró-russos, e que, neste momento, há oitenta e um desaparecidos. Neste sentido, Debalseve tornou-se a disputa mais mortífera desde o início do conflito. O cerco durou um mês, entre 18 de Janeiro e 18 de Fevereiro.

Publicidade
Publicidade

O Secretário de Estado Norte Americano John Kerry diz que o comportamento de Moscovo tem de ser travado. Defende sanções e esforços adicionais e mostra-se confiante que, implementando estas sanções, ficará claro que o ocidente "não vai jogar este jogo", refere Kerry. O Secretário de Estado carateriza o comportamento de Moscovo como sendo anómalo e garante que tudo fará para ajudar a Ucrânia. Defende ainda que este comportamento atenta contra tudo o que a comunidade global trabalhou para conseguir desde a Segunda Guerra Mundial e que é imperdoável.

Na Ucrânia, quase nada resta depois dos duros confrontos de Debalseve. Depois do cerco, a cidade que acolhia cerca de vinte e cinco mil habitantes é hoje um amontoado de escombros. Atualmente, são poucos os habitantes que ainda ficaram na cidade, e os que ainda restam relatam as grandes dificuldades por que passam visto não terem o que comer nem como se aquecer.

Publicidade

As bombas continuam a cair no leste da Ucrânia apesar do cessar-fogo. Kiev acusa Moscovo de enviar para o país mais tropas e blindados e denunciou a concentração de forças separatistas perto de Mariupol, uma acusação que foi subscrita por Washington que vê esta ação com repúdio. Depois de a Ucrânia ter perdido a Crimeia, parece cada vez mais difícil recuperar a soberania no leste.