Algo que parecia impensável, sobretudo na actual conjuntura económica vivida na União Europeia, oficializou-se hoje: o governo croata negociou e estabeleceu um programa com bancos, empresas de telecomunicações e municípios, para um perdão total de dívidas aos cidadãos mais pobres, e que têm as suas contas actualmente congeladas. Estima-se que cerca de 60 mil croatas sejam beneficiados por esta inovadora medida, intitulada de “ um novo começo”. Na Croácia, das 327 mil pessoas que têm a sua conta bancária congelada devido a dívidas e incumprimentos, cerca dos 60 mil mais pobres têm, esta segunda-feira, a sua conta novamente activa e livre de dívidas.

Publicidade
Publicidade

O programa, conduzido pelo actual governo de centro-esquerda, pretende dar um “novo começo” a um número significativo de pessoas endividadas e que têm, nos últimos anos, contribuído significativamente para a estagnação da economia do país. Tal como se verificou na maioria dos países da União Europeia, a Croácia sofreu uma enorme recessão nos últimos 6 anos, e as novas previsões indicam uma subida ligeira para o presente ano.

Depois de longas negociações, o governo croata chegou a acordo com bancos, serviços públicos e telecomunicações para o perdão da dívida. A medida tem como principal objectivo ajudar os mais pobres - que não têm poupanças ou propriedades - e impulsionar a economia interna, a um longo prazo. “Estamos muito orgulhosos por podermos oficializar uma medida social, que irá favorecer os mais pobres.

Publicidade

Mas este é um programa excepcional”, divulgou o primeiro-ministro da Croácia, Zoran Milanovic.

Apesar de ser um programa com enormes contributos sociais, e que espantou muitos países - numa altura em que sobe a tensão entre o novo governo de esquerda na Grécia, por um lado, e a Alemanha e a União Europeia, do outro - os partidos de oposição revelam que esta medida apenas surge meses antes das eleições, sendo somente um programa populista e uma medida eleitoralista. Porém, se a medida cumprir os seus objectivos, outros países poderão seguir-lhe o exemplo, algo que irá agradar fortemente os partidos com orientações de esquerda. Apesar de toda a contestação, quem cumprir com os requisitos já pode se candidatar para beneficiar da medida e acordar com uma nova oportunidade.