Todas as atenções do mundo estão agora centradas a sul dos Alpes franceses onde já foram localizados os destroços do avião airbus 320, da Germanwings, uma empresa low cost que pertence ao grupo alemão Lufthansa. O mau tempo que se faz sentir na zona e o cair da noite estavam a pôr em perigo a operação de resgate. Mas chega agora a informação que uma equipa de salvamento destacada para o local já encontrou uma das caixas negras do aparelho.

Por se tratar de uma zona de montanha, Michel Suhubiette, um guia francês, explicou às autoridades que viu um avião "a baixa altitude" o que fazia indiciar que "não ia conseguir atravessar a montanha".

Publicidade
Publicidade

As testemunhas, citadas pelas agências de informação francesas, garantem ter ouvido "um forte estrondo" logo após a passagem a "baixa altitude de um avião". Apesar de circular nas redes sociais de que houve quem visse membros da tripulação a saltar do aparelho, o autarca francês da zona garante que essa informação "é mentira" e que "não se viram corpos a cair do avião".

Sabe-se que a bordo do airbus 320 estavam 48 espanhóis, turcos e alemães, sendo que 18 dos passageiros germânicos eram alunos e professores de uma universidade alemã. Há ainda a informação, veiculada pela companhia aérea, de que dois dos passageiros eram bebés, mas não foi revelada a nacionalidade.

São quase 350 operacionais franceses que estão a trabalhar no terreno e já garantiram que nenhum corpo vai ser recuperado esta terça-feira, por causa da neve que está a cair na zona onde estão os destroços.

Publicidade

Foi possível perceber que o avião ficou totalmente em pedaços o que vai obrigar a uma operação minuciosa para se recuperarem todas as vítimas e se resgatarem provas importantes que expliquem o que aconteceu.

A torre de controlo de Barcelona, local de onde partiu o avião, já veio desmentir que tenha existido um pedido de ajuda. "O que aconteceu é que o avião começou a perder altitude e nós pensamos que tivesse a ver com a necessidade de descer alguns pés para encontrar ar respirável", disse o responsável da torre de controlo em entrevista ao jornal alemão Bild. O problema é que aparelho não parou de descer até se despenhar na montanha e desaparecer dos radares.